Press "Enter" to skip to content

Webinar gratuito discute como o uso dos satélites revolucionou a forma de enxergar a Amazônia

DA OFICINA DE TEXTOS – Promovida pela Oficina de Textos, palestra online aborda o histórico, metodologias de detecção, bem como consequências diretas e indiretas da prática de desmatamento que que tem provocado atritos entre ambientalistas e órgãos governamentais em nível mundial há várias décadas.

Iniciado na década de 1960, o desmatamento da Amazônia em larga escala ocorre até hoje com níveis variáveis ao longo do tempo. Legislação, monitoramento e fiscalização são os parâmetros que regem a quantidade de desmatamento registrado a cada ano e a tecnologia por satélites a única forma de acompanhar os eventos de maneira sistemática e eficiente.

No webinar gratuito Desmatamento da Amazônia: como a tecnologia por satélites revolucionou a forma de enxergar a floresta, realizado pela Oficina de Textos, os mestres em sensoriamento remoto Daniel Zanotta (UFRGS) e Matheus Pinheiro (IME) – autores do livro Processamento de imagens de satélite -, apresentam conceitos técnicos objetivos para esclarecer algumas questões fundamentais sobre o desmatamento na floresta Amazônica.

Quando: 10/10 (quinta-feira) | Horário: 14h30 | Link: http://bit.ly/webDesmatamentoAmazoniabg

Sobre os palestrantes

Daniel Capella Zanotta é graduado em Física pela Fundação Universidade Federal do Rio Grande (Furg, 2007), Mestre em Sensoriamento Remoto pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS, 2010) e Doutor em Sensoriamento Remoto pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe, 2014). Atua como professor no curso de Geoprocessamento do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), campus Rio Grande, e como colaborador no programa de pós-graduação em Sensoriamento Remoto da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), onde é responsável pela disciplina de Processamento Digital de Imagens

Matheus Pinheiro Ferreira é graduado em Engenharia Florestal pela Universidade Federal do Paraná (UFPR, 2010), com formação complementar na Universidade de Freiburg (Alemanha), e Mestre (2012) e Doutor (2017) em Sensoriamento Remoto pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Sua tese de Doutorado for agraciada com Menção Honrosa pelo Prêmio Capes de Tese 2018. Atualmente é professor adjunto da seção de Engenharia Cartográfica do Instituto Militar de Engenharia (IME), onde ministra disciplinas relacionadas a Sensoriamento Remoto e Processamento Digital de Imagens em nível de graduação e pós-graduação.

Imagem: PRODER/ INPE

Informações científicas e recursos audiovisuais sobre o aquecimento global, o efeito estufa e as mudanças climáticas
%d blogueiros gostam disto: