Press "Enter" to skip to content

Vulcões imprevisíveis

Em função de sua imprevisibilidade, os projeções do aquecimento global futuro realizadas por meio de modelos climáticos raramente incluem a atividade vulcânica. Mas ao avaliar a possibilidade de ocorrência de erupções, em conformidade com o registrado no passado, um time de cientistas europeus adverte que poderá haver maior variabilidade do clima no futuro do que o previsto atualmente.

Os vulcanismo é um elemento central do sistema climático. Na história geológica da Terra, a atividade vulcânica cumpre papel fundamental na formação e composição gasosa da atmosfera. Mesmo em curto espaço de tempo, como no caso de erupções individuais, os vulcões podem influenciar o sistema climático.

Dependendo do local de ocorrência, do volume de material expelido e de outras condições, um vulcão que entrou em atividade é capaz de interferir na quantidade de irradiação solar absorvida pelo planeta. Uma vez na atmosfera, os aerossóis emitidos pelo vulcão refletem a luz do sol de volta ao espaço, causando um pequeno resfriamento. Esse efeito pode durar vários anos, até que os aereossóis sejam retirados da atmosfera pela ação, por exemplo, das chuvas.

Apesar da relevância, a atividade vulcânica não constituía usualmente um componente das projeções dos modelos climatológicos. Além da impossibilidade de prever as erupções, as últimas décadas registraram uma baixa frequência desses eventos. Todavia, recentes avanços no conhecimento científico detalharam a atividade vulcânica dos últimos 2.500 anos, mostrando que vários séculos anteriores tiveram vulcanismo mais intenso do que o século XX.

Dessa forma, ao longo de um século as erupções vulcânicas podem representar um elemento importante do sistema climático, questionando a sua exclusão das projeções. Os cientistas decidiram verificar sua potencial influência e, quebrando o hábito da comunidade científica, realizaram projeções em um modelo climático incluindo erupções vulcânicas.

A partir dos dados dos séculos passados, os cientistas estabeleceram 60 diferentes trajetórias possíveis de vulcanismo até 2100. Incluíram essas trajetórias em um modelo climático, e desenvolveram projeções do aquecimento global deste século considerando um cenário de médias emissões de gases de efeito estufa.

Gráfico com a projeção do aumento da temperatura média global com (linha azul) e sem (linha vermelha) a influência de erupções vulcânicas. Fonte: Bjerknes Centre for Climate Research.

Os resultados sugerem que um futuro com maior atividade vulcânica do que no passado recente irá provocar maiores flutuações no sistema climático (gráfico acima), podendo ser tanto de caráter anual quanto de uma década para outra. Dessa forma, a variabilidade do clima pode ser significativamente mais acentuada do que indicam as projeções existentes.

Grandes erupções vulcânicas poderiam causar, por exemplo, abruptos períodos de resfriamento de grande amplitude, logo seguidos de uma acelerada retomada do aquecimento. Um dos efeitos seria a maior ocorrência de eventos extremos. O estudo indica que, no contexto do aquecimento global, o vulcanismo futuro tem o potencial de infligir relevante estresse sobre os ecossistemas e sobre as sociedades.

E uma vez que as projeções existentes excluíam a atividade vulcânica, as avaliações de risco que tem sido realizadas desconsideram possíveis e relevantes consequências futuras. Reduzir vulnerabilidades às mudanças climáticas e desenvolver medidas de adaptação precisam, conclui o estudo, incorporar a potencial interferência do vulcanismo.

Fonte: Bjerknes Centre for Climate Research
Imagem: Pixabay

%d blogueiros gostam disto: