Press "Enter" to skip to content

Um mundo com mais eventos extremos

Estudo de cientistas dos Estados Unidos investigou os impactos do aquecimento na frequência de eventos climáticos extremos, como secas, ondas de calor, e chuvas intensas. Eles combinaram a análise de dados históricos com modelos climáticos que simulam a circulação global da atmosfera e do oceano. O objetivo foi comparar o atendimento ao acordo climático de Paris com o compromisso assumido pelos países em limitar o aquecimento global.

O compromisso assumido pelos países até o momento não será suficientes para cumprir as metas do acordo de Paris. A meta estabelece o limite do aquecimento global a no máximo 20C acima dos níveis pré-industriais, com esforços para que seja de apenas 1,50C. Mas a redução de emissões de gases de efeito estufa, conforme proposto pelos países, implicará em um aumento da temperatura média global acima da meta, entre 20C e 30C.

A fim de definir a influência do aquecimento global ocorrido no último século, no qual a temperatura subiu cerca de 10C acima dos níveis pré-industriais, os cientistas exploraram duas situações. Uma primeira simulação reproduziu apenas os fatores naturais de influência no sistema climático, como o ciclo solar ou as erupções vulcânicas. A segunda simulação inclui também o aumento das concentrações atmosféricas de gases de efeito estufa.

Ao comparar as simulações com os dados de eventos climáticos extremos, os pesquisadores puderam analisar qual representou melhor a realidade registrada nas séries históricas. Os resultados sugerem que o nível de aquecimento global atual aumentou em grande parte do mundo a probabilidade de ocorrência de eventos climáticos extremos.

O estudo quantificou a diferença do risco de eventos extremos em dois cenários futuros. Um deles considerava o cumprimento das metas do acordo de Pais, limitando o aquecimento entre 1°C e 2°C. O outro levava em conta o compromisso assumido pelos países, com aquecimento global na faixa entre 2°C e 3°C.

No último cenário, o estudo registrou crescimento substancial e generalizado na probabilidade de ocorrência de eventos extremos historicamente sem precedentes. Por exemplo, entre 15% e 60% da área da América do Norte, Europa, Ásia Oriental e sul da América do Sul mostraram uma probabilidade mais que 3 vezes superior à atual de exceder o valor do evento mais extremo do registro histórico.

Alcançar as metas do acordo de Paris limitaria significativamente os aumentos na probabilidade de eventos climáticos extremos. Todavia, o estudo identificou que muitas áreas ainda sofreriam grande alteração na probabilidade de ocorrência de eventos sem precedentes. Aproximadamente 25% da superfície terrestre veria as chances de noites mais quentes ou da precipitação diária máxima subirem mais de 5 vezes.

Os cientistas afirmaram que o cumprimento do acordo climático de Paris levaria a importantes reduções no risco climático de eventos extremos. Mas mesmo nesse cenário, ocorrerão aumentos substanciais e potencialmente de alto impacto na probabilidade de extremos sem precedentes em relação ao clima atual.

Mais informações: Unprecedented climate events: Historical changes, aspirational targets, and national commitments
Imagem: adaptado da figura 2 do estudo – mapa com aumento da probabilidade de ocorrência de dias quentes nos dois cenários analisados. As cores laranja a lilás indicam crescimento da probabilidade de ocorrência

Comments are closed.

%d blogueiros gostam disto: