Press "Enter" to skip to content

Tocantins experimentará menor disponibilidade hídrica

As projeções de modelos climáticos mostram que o estado do Tocantins poderá experimentar alterações significativas nos regime hídrico e térmico até a metade deste século. O alerta foi realizado por estudo de cientistas brasileiros, a partir da análise de cenários futuros de aquecimento global.

Com área de 277.621 km² – maior do que todo o Reino Unido -, o estado do Tocantins ocupa cerca de 7% da região Norte do país. Ele se localiza quase totalmente no bioma Cerrado, sendo que somente 9% de sua área ficam no bioma Amazônia.

Pesquisas anteriores indicaram que o centro do Brasil, onde está o estado do Tocantins, deverá experimentar mudanças do clima à medida que avança o aquecimento global. Mas, segundo o estudo, era necessário realizar análises específicas para o Tocantins, com fins de prever futuros impactos e planejar medidas de mitigação e de adaptação.

A projeção de mudanças se baseou em simulações por meio de modelos climáticos. Foram considerados um cenário de médias e outro de altas emissões de gases de efeito estufa. O estudo incluiu possíveis alterações na precipitação, evapotranspiração real, temperatura (máxima, média e mínima) e umidade relativa para os períodos entre 2011 e 2040 e entre 2041 a 2070.

Os resultados indicaram a possibilidade de queda na precipitação nos dois cenários avaliados. A parte mais afetada seria o sul do estado. A redução mais severa ocorreu em uma das simulações do cenário de médias emissões de gases de efeito estufa. Nela, a precipitação cairia até 524,8 mm durante os meses de outubro a março até 2040.

Os termômetros também continuariam a subir em todo o Tocantins. As projeções indicaram um aumento de até 5,1ºC da temperatura média, 5,9ºC da temperatura máxima, e 4,8ºC da temperatura mínima. O sudoeste do estado, a ilha do Bananal e a APA dos meandros do rio Araguaia experimentariam o maior crescimento. O aumento mais severo se verificou no cenários de altas emissões, no período entre 2041 e 2070.

As alterações também afetariam a umidade do ar e a evapotranspiração. Dessa forma, as mudanças climáticas projetadas para o Tocantins tem o potencial de provocar sérios impactos na disponibilidade hídrica do estado. E o cenário de altas emissões de gases de efeito estufa se mostrou mais grave do que o de médias emissões.

Nesse sentido, o estudo ressaltou a necessidade do estado do Tocantins planejar medidas de mitigação, que contribuam para a redução das emissões. Além disso, deve também preparar medidas para preparar a gestão futura dos recursos hídricos.

Mais informações: de Sousa, R. M., Viola, M. R., Chou, S. C., Alves, M. V. G., & Avanzi, J. C. (2019). PROJEÇÕES CLIMÁTICAS REGIONALIZADAS PARA O ESTADO DO TOCANTINS, BRASIL, NOS CENÁRIOS RCP 4.5 E RCP 8.5Revista Brasileira de Climatologia24.
Imagem: Flickr/ Lucas Flavio

Informações científicas e recursos audiovisuais sobre o aquecimento global, o efeito estufa e as mudanças climáticas
%d blogueiros gostam disto: