Press "Enter" to skip to content

Subsídios para o petróleo

Quase a metade das reservas de petróleo dos Estados Unidos pode depender de subsídios do governo para ser explorada, afirma estudo de cientistas ligados ao Instituto Ambiental de Estocolmo. Considerando o preço atual de US$ 50 por barril, os subsídios fiscais seriam necessários para viabilizar a produção de cerca de 17 bilhões de barris nas próximas décadas.

O estudo avaliou mais de 800 novos campos de petróleo em todo o país. Contendo o equivalente a mais de 35 bilhões de barris de petróleo, esses campos ainda não começaram a ser explorados. Os cientistas calcularam a viabilidade da exploração de campo por campo, inclusive um retorno dos investidores da ordem de 10%.

Em seguida, foi considerado o impacto dos principais subsídios federais e estaduais sobre a viabilidade da exploração de petróleo para cada um dos campos. Entre as formas de subsídio consideradas estavam renúncias fiscais, isenção ou deduções de impostos, além de externalidades assumidas pelos governos – como, por exemplo, a manutenção de estradas e rodovias.

O objetivo foi considerar, do ponto de vista do investidor, a influência e os benefícios provenientes dos subsídios estatais. De acordo com os cientistas, há décadas a indústria de óleo e gás nos Estados Unidos vem sendo beneficiada pelos subsídios, usando-os para aumentar o lucro em tempos de bonança – quando o preço do barril sobe -, ou para manter a indústria à tona em tempos de vacas magras, como verificado nos anos recentes.

Os resultados sugerem que 47% dos campos de petróleo ainda a serem explorados dependem de algum tipo de subsídio estatal. Esse valor entre 40% e 59% de acordo com a região. No cenário atual, com o preço do petróleo na faixa de US$ 50 por barril, o estudo aponta que os subsídios respondem por 2% a 6% do retorno dos investimentos, consistindo em elemento fundamental para atingir a meta de 10% de rentabilidade.

O estudo também ressalta como a indústria de óleo e gás se beneficia dos subsídios. Apesar de 47% não se viabilizarem sem eles, para os demais 53% dos campos os subsídios representariam um incremento no lucro das empresas. Além disso, se o preço do petróleo subir, fará com que mais campos sejam lucrativos sem a necessidade de subsídios – que de incentivos passam a ser ganhos adicionais.

Dessa forma, os cientistas ressaltam que os subsídios estatais constituem um aspecto central para a tomada de decisão de investidores. Concentrados na etapa inicial de desenvolvimento de novos projetos, quando ocorrem os maiores custos de investimentos, os subsídios estimulam a produção futura adicional de combustíveis fósseis.

Uma vez explorados, os cientistas estimaram que os campos dependentes de subsídios poderiam liberar 6 bilhões de toneladas métricas de CO2. Representam uma estratégia em que se perde duplamente. Quando o preço está baixo, estimulam a produção de petróleo, contribuindo para o aquecimento global. Quando o preço está alto, fluem diretamente para o bolso dos investidores.

Fonte: Stockholm Environmental Institution – SEI
Imagem: Pixabay

%d blogueiros gostam disto: