Press "Enter" to skip to content

Empresas de alimento se preparam para as mudanças climáticas

O aquecimento global trará grandes desafios para a produção mundial de alimentos. De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura – FAO, na sigla em inglês, os impactos podem ser significativos. Por exemplo, até 2050, dependendo do cenário, a produtividade dos cultivos agrícolas pode cair globalmente entre 10 a 25%. Por outro lado, a demanda por alimentos deve subir, pressionada pelo aumento demográfico da população.

Não é surpresa, portanto, que o setor de produção de alimentos esteja engajado em medidas relacionadas às mudanças climáticas. Aqui, resumimos as iniciativas implantadas por cinco das maiores produtoras mundiais de alimentos. A liderança dessas empresas serve de exemplo para indústrias de outros setores da economia.

1. Unilever

100% Clean Energy

A companhia adotou a meta de eliminar as emissões de gases de efeito estufa até o ano de 2030. Ao final de 2016, a empresa afirmava já ter reduzido em 43% as emissões de CO2 por tonelada produzida, em comparação com os níveis de 2008. A Unilever pretende adquirir toda a eletricidade consumida por suas unidades de fontes renováveis até 2020, eliminando as fontes baseadas em carvão.

Até 2030, a proposta é dar suporte à geração de energia renovável em quantidades superiores ao consumido pela empresa. O excesso de energia será disponibilizado para o mercado e para a comunidade. A companhia também investirá em ações para eliminar o desmatamento e reduzir as emissões de gases de efeito estufa pela cadeia de fornecedores. Outros investimentos serão em melhorias tecnológicas, como refrigeradores mais eficientes e produtos menos intensivos em gases de efeito estufa.

2. Nestle

Our commitment: Provide climate change leadership

Na última década, a companhia afirma ter reduzido em 39% as emissões de gases de efeito estufa por tonelada de produto. No mesmo período, aumentou a produtividade em 46%. Em comparação com o nível de 2010, a Nestlé afirma ter alcançado uma redução de 22% das emissões nas suas operações.

Esses resultados foram obtidos por meio de economias no consumo de energia, aumento da eficiência nas unidades e transportes, e troca de fontes poluentes por outras mais limpas, inclusive renováveis. Para 2020, as metas da empresa são expandir o uso de refrigeração natural, reduzir em 35% as emissões das unidades industriais em comparação com o nível de 2010, e em 10% as emissões do setor de distribuição e as emissões dos armazéns em comparação com o nível de 2014. A empresa também se diz comprometida a adquirir toda a eletricidade consumida de fontes renováveis no menor prazo possível, e investe em outras iniciativas.

3. Danone

Acoes da Danone para o Clima.png

A Danone estabeleceu um conjunto de cinco metas relacionadas às mudanças climáticas. A primeira delas é reduzir as emissões de gases de efeito estufa. Desde 2007, os esforços da companhia reduziram a intensidade das emissões em 42%. A meta é reduzi-la em 50% até 2030, ao mesmo tempo em que diminui a quantidade total de emissões até 2025.

A segunda meta está relacionada à promoção do sequestro de carbono através de programas florestais, de ecossistemas naturais e pela agricultura. A empresa criou um fundo para investir em agricultura sustentável. A terceira meta é eliminar o desmatamento da cadeia de fornecedores até 2020. A quarta meta é preparar a empresa e fornecedores para os impactos das mudanças climáticas, tendo em vista o ciclo de produção de alimentos e de uso de água. A última meta é oferecer dietas mais saudáveis, baseadas em produtos sustentáveis.

4. Mondeléz

Acoes da Mondelez para o Clima

O foco da Mondeléz é reduzir as emissões de gases de efeito estufa próprias e da cadeia de suprimentos. Ao mesmo tempo, fomenta a adaptação dos agricultores aos potenciais impactos das mudanças climáticas. Até 2020, a meta da companhia é reduzir em 15% a quantidade total de emissões de suas unidades industriais, em comparação com os níveis de 2010. A companhia também se diz comprometida com esforços de eliminar o desmatamento até 2020, e também refrigeradores baseados em gases HFC. Ações de adaptação às mudanças climáticas estão integradas aos programas de sustentabilidade da empresa junto a produtores rurais.

5. Mars

Acoes da Mars para o Clima

A principal meta da Mars é reduzir o total de emissões de gases de efeito estufa de toda a sua cadeia de valor em 27% até 2025 e 67% até 2050, considerando o nível de 2015. Em curto prazo, a empresa busca substituir as fontes fósseis da energia consumida por fontes renováveis. Em relação à cadeia de fornecedores, há um conjunto de medidas em execução. A começar pela redução de impactos causados no uso da terra, principalmente o desmatamento.

A empresa afirma ter uma política de abastecimento pela qual incentiva o aumento da eficiência dos produtores rurais. Mas também buscam adquirir as matérias-primas de regiões que estejam associadas a menores emissões de gases de efeito estufa. Ou, então, substituir o tipo de matéria-prima utilizada. Outro critério de seleção é a capacidade dos sistemas agrícolas de sequestrarem carbono da atmosfera. A Mars instituiu um fundo para incentivar iniciativas voltadas ao sequestro de carbono por pequenos produtores.

Fontes: Unilver, Nestlé, Danone, Mondeléz e Mars
Imagem: fábrica de chocolate/ Pixabay

 

%d blogueiros gostam disto: