Press "Enter" to skip to content

Potencial da acácia-negra para sequestro de carbono

Uma das estratégias para limitar o aquecimento global é através do sequestro de carbono da atmosfera pelo plantio de espécies florestais. Entre as principais espécies cultivadas pelo setor florestal brasileiro, a acácia-negra apresenta bom potencial para fixação do carbono na biomassa, ressaltou estudo de um grupo de cientistas da Universidade Federal do Paraná.

Estima-se que a área ocupada no Brasil pela exploração de florestas seja de quase 8 milhões de hectares. Segundo o estudo, os gêneros mais cultivados são Eucalyptus e Pinus. A utilização de outras espécies vem se expandindo, como no caso da acácia-negra.

De origem australiana e nome científico Acacia mearnsii De Wild, a exploração comercial da espécie tem ocorrido principalmente no estado do Rio Grande do Sul. A madeira da acácia-negra serve como matéria-prima para a produção de celulose e carvão. Extrai-se da casca o tanino, substância aproveitada na indústria e na produção de couro.

Conhecer o teor de carbono de árvores permite elaborar uma estimava mais precisa dos estoques de carbono de florestas comerciais. O teor de carbono depende da biomassa de cada espécie, o que varia em função da idade da planta e do local em que é cultivada. Esse conhecimento auxilia na definição do balanço de carbono – a diferença entre emissões e sequestro – de projetos no setor da silvicultura.

Nesse sentido, o estudo buscou identificar o teor médio de carbono da acácia-negra utilizada no Brasil. Os cientistas amostraram 671 árvores em três locais diferentes da região sudeste do Rio Grande do Sul. Os povoamentos florestais analisados tinham idade entre 1 e 10, 75 anos, e foram divididos em 4 grupos – de jovem a maduro.

Os valores do teor médio de carbono variaram entre 44,77% e 46,43% para as diferentes idades das árvores analisadas. O teor de carbono da copa sofreu a influência da idade e do local do plantio. Já o teor de carbono no fuste não registrou efeitos dos fatores da idade e local.

A partir dos resultados, o estudo concluiu que a acácia-negra apresenta um grande potencial para a fixação de carbono na biomassa.

Mais informações: Martins, João Felipe Cardozo, et al. “CARBONO NOS COMPONENTES DA BIOMASSA DE Acacia mearnsii De Wild.” BIOFIX Scientific Journal 5.1 (2019): 32-38.
Imagem: Australian National Botanic Gardens/ Fagg, M.

Informações científicas e recursos audiovisuais sobre o aquecimento global, o efeito estufa e as mudanças climáticas
%d blogueiros gostam disto: