Press "Enter" to skip to content

Pastagens sequestram menos carbono que o esperado

As pastagens são um importante sumidouro de carbono.  Constituídas por gramíneas e vegetação similar, as pastagens ocupam aproximadamente 29% da superfície terrestre livre de gelo.

Os ecossistemas terrestres absorvem o dióxido de carbono – CO2 – da atmosfera. Com isso, retardam o aumento das concentrações atmosféricas do gás, minimizando a intensificação do efeito estufa e a taxa de aquecimento global.

Com o aumento das concentrações atmosféricas, tem lugar o efeito fertilizador do CO2. A maior disponibilidade do gás no ar favorece o crescimento das plantas, o que levaria, por sua vez, a uma maior absorção do CO2.

Dessa forma, a expectativa é de que, sob o efeito fertilizador do CO2, os ecossistemas terrestres elevem a quantidade de carbono absorvida. Mas a influência do efeito fertilizador depende de outros fatores, entre eles, da quantidade de chuvas.

No caso das pastagens, experimentos realizados anteriormente apresentaram grandes diferenças no crescimento e formação de biomassa em ambientes de elevado CO2. Haviam dúvidas a respeito da influência da precipitação.

Estudo de um time internacional de pesquisadores investigou o sequestro de carbono de pastagens em zonas temperadas do hemisfério norte. Eles examinaram experimentos de campo realizados em 19 diferentes áreas na Austrália, Alemanha, Nova Zelândia, Suíça, Estados Unidos, China e outros.

Em cada um dos experimentos, parcelas ocupadas por pastagem foram expostas a ambientes com altas concentrações de CO2. Elas também estiveram sujeitas a regimes de chuva distintos.

O efeito fertilizador do CO2 provocou um aumento médio no crescimento das plantas de menos de 10%. Mas se observou uma grande variação espacial. Experimentos localizados em regiões com grande precipitação durante a primavera mostraram taxas de crescimento significativamente maiores. Por outro lado, o efeito diminuiu conforme a precipitação média se tornava mais alta em outras estações do ano que não a primavera.

O estudo identificou que locais com muita chuva na primavera tendiam a ser chuvosos ao longo do restante do ano. Com isso, a influência do regime de chuvas inibiria o efeito fertilizador do CO2 nos locais de maior potencial de crescimento.

Os pesquisadores concluíram que o efeito fertilizador do CO2 sobre as pastagens do hemisfério norte pode ser substancialmente menor que o suposto anteriormente. O potencial de sequestro de carbono desses ecossistemas seria menor do que o esperado.

Fonte: Universidade de Gothemburg
Imagem: Unsplash/ Jeremy Cai

Informações científicas e recursos audiovisuais sobre o aquecimento global, o efeito estufa e as mudanças climáticas
%d blogueiros gostam disto: