Press "Enter" to skip to content

O gelo escuro da Groenlândia

No oeste da calota polar da Groenlândia, uma região ao longo da costa é dominada pela presença de manchas escuras na superfície do gelo. Estudo de um time internacional de cientistas identificou que a mancha se deve à presença de algas negras, poeira e fuligem de incêndios florestais.

Chamada de Zona Escura da calota polar, a região possui 400 quilômetros de largura e se estende por até 100 quilômetros para o interior da Groenlândia. Nessa zona ocorre a ablação das geleiras da calota polar – processo no qual o gelo derrete, fragmenta-se e drena para os oceanos.

A Zona Escura interfere no albedo da superfície. O albedo mede a fração da luz solar que é refletida. Quanto mais clara a superfície, maior o albedo e a quantidade de luz refletida. Quanto mais escura a superfície, menor o albedo e maior a quantidade de luz absorvida.

Dessa forma, a Zona Escura contribui para aumentar a absorção de energia do sol. A consequência é que o derretimento na região aumenta.

A região havia sido estudada através de imagens de satélite, cuja resolução era limitada e não mostrava detalhes. Ou então por análises pontuais da superfície. A inovação do estudo foi empregar veículos aéreos não tripulados – drones.

As centenas de imagens obtidas a partir de sobrevôos da Zona Escura por drones apresentavam resoluções de pixels em escala centimétrica. Com base nas imagens, o estudo caracterizou todos os diferentes tipos de superfície e impurezas em toda a região.

Segundo os cientistas, a Zona Negra é formada por uma camada de poeira e carbono negro. Esses materiais, por sua vez, servem de nutrientes para a floração de algas negras na superfície do gelo.

As algas possuem um papel central. No verão, devido ao aumento das temperaturas, à produção de água líquida pelo derretimento e à presença de poeira e carbono, registra-se um forte crescimento da proliferação de algas. Por causa de sua cor, elas torna a superfície ainda mais escura, acentuando a quantidade de energia solar absorvida.

A alteração do albedo eleva a taxa de derretimento do gelo em até cinco vezes, afirma o estudo. Devido aos efeitos do aquecimento global, projeta-se que a Zona Escura deverá se expandir no futuro.

 

 

Fonte: Cage
Mais informações: Dark zone of the Greenland Ice Sheet controlled by distributed biologically-active impurities
Imagem: MODIS/NASA – seta indica trecho da Zona Escura

One Comment

Comments are closed, but <a href="https://cienciaeclima.com.br/o-gelo-escuro-da-groenlandia/trackback/" title="Trackback URL for this post">trackbacks</a> and pingbacks are open.