Press "Enter" to skip to content

O fogo da África fertiliza a Amazônia

A Amazônia abriga a floresta tropical mais exuberante do planeta. A região, no entanto, não produz nutrientes em quantidade suficiente para suportar a floresta. Acreditava-se que poeira originária da África, em especial do deserto do Saara, e transportada pela atmosfera era responsável pela deposição de nutrientes na Bacia Amazônica e no Oceano Atlântico Tropical.

Mas estudo de um time de cientistas de universidades da França e dos Estados Unidos descobriu uma outra fonte africana de nutrientes: a fumaça das queimadas nas savanas. O fogo da África fertiliza a Amazônia.

Apesar da hipótese de conexão entre as duas regiões, poucas medições do transporte de poeira haviam sido realizadas. O estudo mediu a quantidade de fósforo, um dos principais nutrientes do solo, em um local da Guiana Francesa, nordeste da Amazônia.

Durante a primavera, quando a transferência continental de nutrientes entre a África e a Bacia Amazônica atinge seu pico máximo, o monitoramento constatou que o transporte de poeira pela atmosfera consiste no fator dominante. Contudo, durante o outono e o inverno, quando o transporte de poeira é mínimo, o estudo identificou altas concentrações de fósforo.

Uma surpresa foi observar fósforo solúvel, uma característica química indicando que o material tinha sido produzido por queima de biomassa. A fim de explorar se a origem do fósforo solúvel eram as queimadas, foi utilizado um modelo computacional para representar o transporte atmosférico.

As simulações apontaram os incêndios nas savanas africanas como a fonte de fósforo durante o outono e o inverno. O material se depositaria também no Oceano Atlântico Tropical e no Oceano Sul, constituindo um importante nutriente para a vida marinha nessas regiões.

Além disso, ao considerar os volumes de nutriente transportados ao londo do ano, revelou-se que a fumaça e aerossóis das queimadas forneciam quase metade do total de fósforo depositado na Amazônia.

Segundo os cientistas, as mudanças climáticas poderão interferir no transporte de nutrientes entre a África e a Amazônia. Modificações no uso e ocupação do solo que levem a uma redução do número de queimadas também influenciaria no transporte de nutrientes.

Se as queimadas na Amazônia estão ligadas à destruição da floresta, as queimadas na África, pelo contrário, contribuem para sua manutenção.

Fonte: Universidade de Cornell
Mais informações: Barkley, Anne E., et al. “African biomass burning is a substantial source of phosphorus deposition to the Amazon, Tropical Atlantic Ocean, and Southern Ocean.” Proceedings of the National Academy of Sciences 116.33 (2019): 16216-16221.
Imagem: A. C. Staver/ foto 5 do estudo Pellegrini, A. F., Staver, A. C., Hedin, L. O., Charles‐Dominique, T., & Tourgee, A. (2016). Aridity, not fire, favors nitrogen‐fixing plants across tropical savanna and forest biomesEcology97(9), 2177-2183.

Informações científicas e recursos audiovisuais sobre o aquecimento global, o efeito estufa e as mudanças climáticas
%d blogueiros gostam disto: