Press "Enter" to skip to content

Na Amazônia, mais chuvas durante a estação úmida

A quantidade de chuvas na estação úmida da Amazônia aumentou nas últimas décadas, identificou estudo de pesquisadores de universidades da China e do Brasil. 

A bacia amazônica tem uma importância global não apenas pela enorme biodiversidade que abriga. Segundo o estudo, a região também tem um papel fundamental no sistema climático terrestre.

A floresta tropical regula o ciclo de carbono global. Ela representa aproximadamente 20% da descarga de água doce da Terra, consistindo em um dos principais centros de convecção – fonte de calor e umidade para a atmosfera. Possui, assim, relevância na precipitação de outras regiões, no transporte de calor meridional – do equador para altas latitudes – e nas trocas de troposfera e estratosfera.

As chuvas da Amazônia estão sob a influência do sistema de monção da América do Sul. Esse sistema tem como característica a sucessão de uma estação úmida e outra seca. Pesquisas anteriores mostraram que a diferença de chuvas entre as estações pode sofrer a influência da variação da temperatura das águas da superfície do oceano Pacífico e do Atlântico.

Um dos fatores mais conhecidos é a Oscilação Sul El Niño – OSEN. Em anos de El Niño, durante a estação úmida geralmente se observa maior precipitação no centro-leste da América do Sul e menor na região equatorial.

Além da OSEN, a variabilidade interanual da temperatura das águas superficiais do Atlântico também afeta as chuvas na América do Sul. Eventos de anomalia da temperatura, tanto em trechos do Atlântico Norte quanto do Atlântico Sul, provavelmente contribuem na formação do regime de chuvas do continente. 

Tendências de longo prazo na hidrologia da bacia amazônica foram previamente identificados. Entre eles, o estudo citou o aumento das chuvas no sul da Amazônia na segunda metade do século 20, e da duração em dias do sistema de monção da América do Sul. Recentemente, a estação seca em parte da bacia amazônica também se tornou mais longa.

Contudo, não haviam levantamentos a respeito das tendência registradas na Amazônia durante a estação úmida. Com o objetivo de investigar essa questão, os pesquisadores examinaram se nas últimas décadas teria ocorrido alguma alteração no regime de chuvas.

O estudo utilizou um conjunto de séries de dados, combinando informações de campo e de satélite do período entre 1979 e 2015. A partir de um modelo climático, exploraram se as modificações estariam associadas às variações na temperatura das águas do Atlântico e do Pacífico.

Gráfico mostra a tendência da precipitação média da estação úmida entre 1979 e 2015. Azul indica crescimento e vermelho, diminuição. Fonte: figura 1 do estudo.

As série de dados indicaram que as chuvas na Amazônia tropical subiram significativamente ao longo do período analisado. Na zona equatorial, a precipitação registrada entre Dezembro e Maio cresceu em média entre 180 mm e 720 mm, dependendo da série considerada.

As simulações do modelo climático sugeriram que a tendência esteve associada ao aumento das temperaturas da água no Atlântico tropical. Em particular, devido à oscilação multidecadal do Atlântico, uma anomalia positiva na temperatura da água superficial do Atlântico Norte e Tropical.

As alterações na temperatura das águas do Pacífico exerceriam uma influência, mas bem menos acentuada.

A tendência identificada pode ter consequências para a floresta, em termos ecológicos, do ciclo do carbono, ou de sua interação com a atmosfera. É preciso aprofundar as pesquisas a respeito da Amazônia, ressaltaram os pesquisadores.

Mais informações: The strengthening of Amazonian precipitation during the wet season driven by tropical sea surface temperature forcing
Imagem: Figura 4 do estudo – gráfico da tendência da temperatura média das águas superficiais dos oceanos

%d blogueiros gostam disto: