A pecuária em tempos de mudança

Devido à melhoria no padrão de vida mundial e ao aumento da população, projeta-se que a demanda por produtos agropecuários deverá dobrar até 2050. Esse aumento ocorrerá em um contexto de mudanças climáticas, que poderão trazer inúmeros impactos à produção pecuária.

A fim de analisar a interação entre produção agropecuária e mudanças climáticas, pesquisadores da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, revisaram a literatura científica. No estudo, eles buscaram caracterizar os principais impactos das mudanças climáticas, descrever a contribuição do setor ao aquecimento global, e identificar as melhores estratégias de mitigação e de adaptação.

Por um lado, os pesquisadores identificaram como a produção agropecuária será negativamente afetada, em função, por exemplo, de doenças ou da limitação da disponibilidade hídrica. Segundo o estudo, as regiões áridas e semi-áridas são as mais vulneráveis a esses impactos. Além disso, as mudanças climáticas afetarão o conteúdo nutricional dos produtos pecuários, que respondem por 17% do consumo global de calorias e por 33% do consumo de proteína.

Por outro lado, o estudo registra que o setor pecuário contribui atualmente com 14,5% das emissões globais de gases de efeito estufa, sendo 44% do total de gás metano – CH4, 53% do total de óxido de nitrogênio – N2O, e 5% do total de gás carbônico – CO2. O setor também exerce forte influência sobre o uso e ocupação do solo, como, por exemplo, através da demanda por produtos agrícolas utilizados na alimentação do gado.

Para que as emissões associadas à agropecuária não continuem a crescer, acentuando o aquecimento global, o setor deverá ter um papel crucial na adoção de medidas de mitigação e de adaptação. Quanto à mitigação de gases de efeito estufa, os pesquisadores apontam para ações ligadas à melhoria da nutrição animal e à genética, ressaltando, todavia, a necessidade de se aprofundar a pesquisa científica a respeito.

Como medidas de adaptação, indica-se a diversificação das espécies criadas (criar diferentes raças) ou a adoção de sistemas mistos de tipos de criação (diferentes animais). Tais medidas aumentam a resiliência à variabilidade climática, como no caso de secas e ondas de calor, e à doenças e surtos de pragas. Ao mesmo, pode melhorar a eficiência da produção agropecuária e o aproveitamento de recursos.

Mais informações: Climate change and livestock: Impacts, adaptation, and mitigation
Foto: Freeimages.com/Thiago Martins

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *