Press "Enter" to skip to content

Menos nuvens, mais derretimento

Uma profunda alteração tem ocorrido com a calota polar da Groenlândia. Até meados da década de 1990, a quantidade de água e gelo que a calota polar perdia anualmente era contrabalançada pela quantidade de neve que se acumulava. Mas esse balanço entre perdas e ganhos foi quebrado, e a calota polar passou a perder massa e diminuir.

A consequência é que, nas últimas duas décadas, a calota polar da Groenlândia constituiu a principal fonte para o aumento do nível do mar. Entre 1991 e 2015, a retração anual foi em média de 171 gigatoneladas, o que corresponde a um aumento anual do nível do mar de aproximadamente 0,50 mm (o gráfico acima ilustra a redução nas linhas amarela e Azul). Verificou-se uma intensificação do derretimento da superfície das geleiras durante os meses de verão.

A ciência apontava como principais fatores responsáveis pelo derretimento superficial das geleiras da Groenlândia o aumento da temperatura regional e da absorção da radiação solar pelo gelo (diminuição do albedo). Um estudo publicado recentemente aponta a influência de outro fator: a redução da nebulosidade no verão.

Analisando séries históricas de dados produzidas a partir de satélites, os pesquisadores identificaram que, durante os verões, a cobertura de nuvens sobre a Groenlândia diminuiu cerca de 1% ao ano entre 1995 e 2009. Com isso, o estudo aponta que a aceleração no derretimento superficial das geleiras foi causado principalmente pela maior exposição à radiação solar.

Os pesquisadores então utilizaram os dados observados em um modelo climático. Os resultados sugerem que para cada ponto percentual na diminuição da cobertura de nuvens, corresponderia um incremento no derretimento da ordem de 27 gigatoneladas. A mudança na cobertura das nuvens estaria associada à Oscilação do Atlântico Norte, que promoveria condições climáticas favoráveis à ocorrência de dias com céu claro durante o verão.

Os modelos climáticos existentes não representam adequadamente a interferência da cobertura de nuvens sobre a calota polar da Groenlândia. O estudo ressalta a importância dos modelos incorporarem esse fator em suas simulações, a fim de aprimorar as projeções de mudanças climáticas futuras.

Nota do ciência e clima:
É recorrente na literatura científica estudos que apontam limitações dos modelos climáticos, usualmente subestimando algum processo ou fator climático.

Mais informações: Decreasing cloud cover drives the recent mass loss on the Greenland Ice Sheet
DOI: 10.1126/sciadv.1700584

Be First to Comment

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: