Press "Enter" to skip to content

Jogos sobre aquecimento global – 6: Proteção Social

Os jogos representam uma forma divertida e útil de aprender sobre o aquecimento global. Também contribuem para desenvolver formas de lidar com sua consequências.

Com base na Holanda, a organização não governamental – ONG – Centro Climático e seus parceiros criaram um conjunto de jogos sobre questões humanitárias, incluindo os possíveis impactos das mudanças climáticas.

Os jogos foram utilizados em pelo menos 40 países por diversos tipos de público, de crianças em idade escolar a funcionários de bancos de desenvolvimento. Segundo a ONG, os jogos aceleram o aprendizado, o diálogo e a preparação para riscos climáticos.

Todos os jogos devem ser organizados e orientados por um facilitador.

Jogo: Proteção social

O objetivo do jogo é ilustrar como a resposta de cada pessoa a desafios depende da capacidade individual. Em situações nas quais existem diversos fatores negativos, os problemas se avolumam e as pessoas perdem a capacidade de lidar com eles.

Nesses casos, sistemas de proteção social formam uma rede de segurança para as pessoas. O jogo contribui para o entendimento da importância da ação coletiva para que as pessoas se tornem mais resilientes às mudanças climáticas.

O jogo é dinâmico e de curta duração – até 15 minutos. Ele foi criado para grupos entre 10 e 15 participantes, podendo ser jogado em mais de um grupo simultaneamente.

O único material necessário é um conjunto de 6 bolas, de tamanhos e materiais diferentes. As bolas devem ter um peso leve, fáceis de lançar de um lado a outro.

Como jogar

O facilitador organiza um círculo com o grupo de participantes. Então explica as regras do jogo:

  • cada grupo em círculo constitui uma comunidade. Por exemplo, na área rural, pode-se sugerir que cada pessoa é um agricultor, cujo objetivo é continuar cultivando alimentos suficientes para a subsistência da família;
  • para continuar sendo um agricultor – isto é, continuar no jogo -, o participante precisa ter condições de lidar com o clima. A bola será introduzida no jogo, e cada um deve mandar a bola para qualquer outra pessoa do círculo. Quem receber a bola não pode deixar ela cair ou a segurar por mais de 2 segundos;
  • se o participante soltar a bola ou ficar com elas por mais de 2 segundos, ele será afetado pelo clima. Na primeira vez, o participante deve juntar as duas mão. Na segunda vez, deve colocar um braço atrás das costas, ficando somente com o outro livre para jogar. Na terceira vez, ele abandonará o círculo e o jogo (dando dois passos para trás).

Para iniciar o jogo, o facilitador introduz uma bola no círculo. Ele informa que a bola representa as condições do clima, e até o momento está tudo indo bem.

Depois de alguns minutos, o facilitador começa a introduzir novas bolas no círculo de jogadores – uma de cada vez. Antes de introduzir uma bola nova, deve anunciar que as condições climáticas ficaram mais estressantes.

Por exemplo, anunciando que uma seca extrema está ocorrendo, colocando em risco a agricultura de subsistência. O facilitador continua incluindo bolas até que todas as 6 estejam no círculo, e a maioria dos participantes passem a ser afetados.

A partir daí, uma nova rodada tem início. Dessa vez, o facilitador estabelece uma nova regra. Toda vez que uma bola for introduzida no círculo, o jogador ganha o auxílio do sistema de proteção social. Se ele estiver fora do jogo, poderá voltar – com um dos braços atrás das costas.

Se o jogador estiver com um dos braços atrás das costas, ele pode ficar com as duas mãos juntas. E se estiver com as mão juntas, ele passa a ter as mãos livres. O facilitador repete o processo até que as 6 bolas estejam no círculo.

Antes da última rodada, o facilitador discute com os participantes que outras medidas podem ser utilizadas para melhorar o sistema de proteção social. Que tipo de ação os jogadores poderiam usar, durante a dinâmica de mandar as bolas uns para os outros, de forma a reduzir o risco delas caírem? (Não deve modificar as regras anteriores do jogo).

Discussão

A discussão após o término do jogo consiste na parte mais importante do exercício. É durante o diálogo com os jogadores que se compartilha o aprendizado. O facilitador deve promover o debate através de questionamentos aos participantes.

Entre as questões a serem exploradas, inclui-se a forma como cada pessoa se sentiu à medida que a quantidade de bolas no círculo aumentava. Ou então explorar a diferença entre a capacidade de cada indivíduo em lidar com mais bolas, o papel da proteção social para o desempenho, ou o modo como o jogo se relaciona com a realidade de cada pessoa.

Fonte: Climate Centre
Imagem: Climate Centre

Informações científicas e recursos audiovisuais sobre o aquecimento global, o efeito estufa e as mudanças climáticas
%d blogueiros gostam disto: