Press "Enter" to skip to content

Impacto das mudanças climáticas no risco de queimadas

O Brasil é uma das regiões do planeta com o maior número de ocorrência de queimadas. A quantidade de focos registradas neste ano de 2017 foi recorde – a maior quantidade desde que o monitoramento começou. As mudanças climáticas podem interferir na incidência de queimadas no país?

Trabalho realizado por um time de cientistas brasileiros e internacionais sugere que sim. O trabalho analisou a evolução do risco de incêndio ao longo deste século, utilizando um modelo computacional do clima regional da América do Sul. 

Os cientistas adotaram o índice de Risco de Queimada desenvolvido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – CPTEC/INPE. O calculo do risco considera os dados de precipitação dos últimos 120 dias, combinados com dados sobre a temperatura máxima do ar e sobre a umidade relativa do ar mínima, bem como o tipo de vegetação. O risco é dividido em cinco classes, de mínimo a crítico.

A fim de avaliar a capacidade do modelo de simular o Risco de Queimada, os cientistas primeiro rodaram o modelo climático considerando o período entre 1980 e 2005. Compararam então os resultados do modelo com os dados registrados pelo INPE durante o mesmo período. Depois de validado, os cientistas rodaram o modelo climático para o período entre 2071 e 2100, considerando um cenário de médias e outro de altas emissões.

Mapa de distribuição espacial do Risco de Queimada para o mês de Setembro. O painel superior representa o período histórico (1976-2005). O painéis inferiores mostram a projeção de cenários de médias (esquerda) e altas (direita) emissões para o período 2071-2100. Fonte: figura 2 do trabalho.

Concentrando a análise em setembro, mês que usualmente apresenta a maior quantidade de área queimada, os resultados indicam alterações significativas (gráficos acima). A extensão do território brasileiro no qual o Risco de Queimada foi classificado como mínimo ou baixo diminuiu em relação ao observado entre 1980 e 2005. Por sua vez, as classes de risco mais alta passaram a ocupar áreas maiores.

Entre os diferentes biomas brasileiros, os cientistas notam que o mais afetado pelo aumento no ricos de queimadas será o Cerrado. O Risco de Queimada é maior em uma larga faixa do território brasileiro, estendendo-se das regiões Centro-Oeste e Sul do país em direção ao Norte e ao Nordeste.

Mais informações: Future projections of fire danger for Brazilian ecosystems under climate change scenarios
Imagem: Freeimages

%d blogueiros gostam disto: