Press "Enter" to skip to content

Imagem do falcão da pradaria norte-americano

A diversidade de aves no deserto do Mojave, nos Estados Unidos, diminuiu nos últimos 100 anos. Um dos fatores por trás dessa perda de biodiversidade é o aquecimento global, identificou estudo de cientistas de universidades dos EUA.

Aproximadamente 29% das 135 espécies de aves da região se tornou menos comum, e sua distribuição, mais limitada. Uma delas foi o falcão da pradaria. Em alguns locais do deserto, a perda de diversidade identificada foi de 50%.

O estudo investigou as alterações fisiológicas das aves do deserto frente às modificações nas condições climáticas, cada vez mais quentes e secas. As temperaturas médias atuais estão 2ºC mais altas do que há 100 anos atrás.

Através de dados a respeito das espécies de aves do Mojave, coletados desde o ano de 1904, e de simulações de computador, os cientistas exploraram os efeitos do aumento do calor e da seca na funcionamento corporal das aves.

O estresse de calor é um fator diário na vida do deserto. A fim de regular a temperatura corporal, as aves precisam de água. Com a intensificação do estresse de calor em função do aquecimento global, elevou-se a quantidade de água que as aves do deserto precisam ingerir para manter a temperatura do corpo.

O estudo estimou que a ingestão de água por algumas espécies teria de subir entre 10% a 30% devido ao aumento da temperatura média registrado no deserto de Mojave nos últimos 100 anos.

O problema é que essas espécies comem insetos ou outros animais, obtendo toda a água dos alimentos. Elas não bebem – ou muito raramento bebem – água de fontes na superfície, como poços ou rios.

Dessa forma, para obter mais água, essas aves teriam de pegar uma quantidade significativamente maior de insetos ou animais. Gastariam, para tanto, uma quantidade ainda maior de energia e tempo.

Os efeitos também se fizeram sentir, em menor escala, sobre aves menores cujos hábitos alimentares incluíam insetos e sementes. Os impactos sobre os pássaros insetívoros variou segundo a demanda por água de cada espécie.

Aquelas que dependem exclusivamente de plantas e bebem água de fontes da superfície sofreram quando as secas reduziram a disponibilidade de água.

Observou-se o desaparecimento de espécies de aves em áreas afetadas pelo estresse de calor. Alguns pássaros adotaram modos de se adaptar às novas condições ambientais, migrando para habitats mais frios em locais ao norte ou em altitudes superiores. Outros mudaram o período de nidificação.

Certas espécies tiveram o tamanho corporal reduzido, o que implicaria em menor necessidade de água. Segundo os cientistas, é provável que espécies em outros desertos do mundo estejam experimentando consequências semelhantes.

O aquecimento global não é uma questão do futuro. O estudo mostra um exemplo dos impactos do aquecimento global que já ocorreram. A tendência – se não for revertida – é que os impactos se tornarão cada vez mais severos.

Fonte: Universidade de Berkeley
Mais informações: Eric A. Riddell, Kelly J. Iknayan, Blair O. Wolf, Barry Sinervo, Steven R. Beissinger. Cooling requirements fueled the collapse of a desert bird community from climate changeProceedings of the National Academy of Sciences, 2019
Imagem: Flickr/Tom Benson

Informações científicas e recursos audiovisuais sobre o aquecimento global, o efeito estufa e as mudanças climáticas
%d blogueiros gostam disto: