Press "Enter" to skip to content

Gráfico das emissões do Maranhão

O gráfico acima apresenta o inventário das emissões brutas de gases de efeito estufa do estado do Maranhão entre os anos de 1990 e 2016. Os dados incluem as emissões de todos as fontes consideradas no inventário oficial elaborado pelo governo brasileiro.

O órgão responsável pela elaboração do inventário é o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação – MCTI -, que coordena a implementação da Convenção sobre Mudanças Climáticas no país.

As fontes de emissão brasileira se concentram em dois setores interligados: a agropecuária, indicada na cor amarela, e a mudança de uso da terra e floresta, de cor verde.

No caso do Maranhão, as emissões são predominantemente originárias do setor de mudança de uso da terra e floresta. Puxado pelo setor, e apesar das oscilações, o estado apresentou uma tendência de crescimento entre 1990 e 2008.

Nesse ano, as emissões atingiram o pico, somando aproximadamente 159 milhões de toneladas de CO2 equivalente – 90% em função da mudança do uso da terra e floresta.

A partir daí, a contribuição do setor cai e, com ela, as emissões totais de gases de efeito estufa. Entre 2011 e 2016, as emissões totais do Maranhão permaneceram relativamente estáveis.

A agropecuária experimentou um crescimento contínuo das emissões, passando de cerca de 9,4 milhões de toneladas de CO2 equivalente em 1990 para 15,3 milhões em 2016. Com pequena contribuição, o setor de energia atravessou o aumento mais elevado, de mais de dez vezes, entre 1990 e 2016.

O Maranhão chegou a ocupar a terceira posição entre os maiores emissores de gases de efeito estufa entre todos os 26 estados brasileiros. Em 2016, esteve na 9a posição.

Gráfico: SEEG

%d blogueiros gostam disto: