Press "Enter" to skip to content

Exposição a múltiplos riscos climáticos deve aumentar

A exposição a múltiplos riscos climáticos deve aumentar no futuro. A sinergia entre potenciais impactos das mudanças climáticas poderá expor as sociedades a uma ameaça maior do que o suposto anteriormente, argumentou estudo de um time internacional de pesquisadores.

O estudo se baseou em uma revisão de milhares de artigos científicos. Eles identificavam como a emissão de gases de efeito estufa e o consequente aquecimento global estão elevando os riscos climáticos..

Através da revisão, os pesquisadores identificaram evidências de 467 vias pelas quais a saúde humana, a disponibilidade de água, os alimentos, a economia, a infraestrutura e a segurança foram recentemente afetadas por riscos climáticos.

A literatura abrangeu um conjunto de 11 riscos climáticos: o aumento da temperatura, as ondas de calor, a precipitação, as secas, as inundações, os incêndios, as tempestades, o aumento do nível do mar, a alteração da cobertura natural do solo e a alteração da química do oceano.

A grande maioria dos artigos analisados, com poucas exceções, limitava-se a explorar um risco climático individualmente. Mas esse tipo de abordagem deixava de lado a possível interação entre os efeitos de mais de um risco climático.

Por exemplo, o aumento da tempera média traz consigo uma maior evaporação da água do solo. Em em regiões secas, ela estaria associada à maior frequência ou intensidade de secas, de incêndios florestais e de ondas de calor. Em regiões úmidas, ela pode provocar mais chuvas e inundações.

Outro exemplo viria dos oceanos. A maior temperatura das águas superficiais elevaria a evaporação, influenciando a velocidade dos ventos e a quantidade de umidade dos furacões. Além disso, o impactos dos furacões nas zonas costeiras se agravaria à medida que o nível do mar suba.

Ao combinar os diferentes riscos climáticos, o estudo realizou projeções até 2100. Em um cenário de baixas emissões de gases de efeito estufa, a população mundial ficaria exposta anualmente à ocorrência dum evento de grande magnitude em pelo menos um dos riscos climáticos analisados.

Em um cenário de altas emissões, as populações experimentariam eventos de grande magnitude em pelo menos três dos riscos, com significativas variações regionais.

Nesse cenário, a cidade de Nova Iorque conviveria com até quatro risco climáticos todos os anos, a mesma quantidade da Cidade do México. Na costa brasileira, as pessoas enfrentariam eventos de grande magnitude em pelo menos cinco dos riscos climáticos avaliados.

As regiões costeiras tropicais se mostraram aquelas mais vulneráveis em todo o mundo.

O estudo produziu um aplicativo da internet. Nele, o internauta pode explorar a possibilidade de ocorrência de múltiplos riscos climáticos até 2100, levando-se em conta diferentes cenários de emissões.

Os vídeos abaixo apresentam os resultados das projeções para os cenários de baixas (primeiro vídeo, contando-se de cima para baixo), médias (segundo vídeo) e altas emissões de gases de efeito estufa.

Fonte: Universidade do Havaí
Imagem: Flickr/ Frei Petrônio de Miranda

%d blogueiros gostam disto: