Press "Enter" to skip to content

Eventos de calor úmido extremos estão mais frequentes

Eventos de calor úmido extremo, combinando temperaturas e umidade do ar além do suportado fisiologicamente pelos seres humanos, tem sido registrados atualmente. A ocorrência dessas condições se verifica antes do projetado por modelos climáticos, apontou estudo de cientistas de universidades dos Estados Unidos e do Reino Unido.

O calor úmido extremo traz riscos à saúde humana. Segundo o estudo, além de provocar mortes, eventos nos quais se reúnem condições de de calor e alta umidade do ar também prejudicam o desempenho individual, com impactos em larga escala.

O corpo humano possui limites fisiológicos para dissipar o calor interno. A fim de manter uma temperatura constante, por volta de 36,8 °C, o corpo deve liberar calor através da pele. Isso acontece naturalmente quanto a temperatura do ar se encontra abaixo de 35°C.

Para temperaturas do ar acima desse valor, o calor do corpo depende da transpiração e evaporação do suor para ocorrer. Mas sob condições que combinem altas temperaturas e umidade do ar, o mecanismo de resfriamento pelo suor perde completamente a eficácia. O limite fisiológico é ultrapassado, impondo sérios riscos à saúde.

Utiliza-se um tipo especial de termômetro para medir conjuntamente a temperatura e a umidade. Elé é denominado termômetro de bulbo úmido – TBU. Segundo o estudo, o limite fisiológico do corpo é ultrapassado ao TBU alcançar temperaturas de 35°C.

Como consequência do aquecimento global, modelos climáticos indicaram que eventos nos quais o limite de temperatura TBU de 35ºC seria ultrapassado passariam a ocorrer neste século. Em cenários de altas emissões de gases de efeito estufa, os modelos projetavam eventos extremos em partes do sul da Ásia e do Oriente Médio por volta de 2075.

O estudo investigou os padrões geográficos e as tendências recentes das temperaturas medidas por termômetros de bulbo úmido em todo o mundo. Eles reuniram e analisaram dados de estações climatológicos, radiossondas e observações marinhas. O período analisado considerou os anos entre 1979 e 2017.

O levantamento detectou diversas estações ao redor do planeta nas quais o registro da temperatura TBU havia alcançado 31°C e 33°C. Em duas delas, verificou-se a ocorrência de vários valores máximos diários de temperatura do TBU acima de 35°C. Essas condições extremas tiveram duração de uma a duas horas.

Gráfico de tendências de eventos de calor úmido extremo entre 1979 e 2017
Gráficos (A) a (D) mostram a tendência de aumento de eventos de calor úmido extremo entre 1979 e 2017 – considerando diferentes limites de temperatura TBU. O gráfico (E) traz o cálculo da tendência global de aumento, enquanto o gráfico (F) indica o aumento da temperatura global – linha preta – e a ocorrência de eventos de calor úmido extremo – círculos. Fonte: figura 2 do estudo.

A combinação de altas temperaturas e umidade do ar se concentrou em regiões do sul da Ásia, do litoral do Oriente Médio e do sudoeste da América do Norte. Em todos, o estudo identificou a influência de temperaturas extremas no continente juntamente com temperaturas extremas da água do mar.

Outras regiões com registros de temperaturas de TBU acima de 31ºC foram a costa leste e o noroeste da Índia, o Paquistão, e zonas costeiras no Mar Vermelho, no Golfo da Califórnia e no sul do Golfo do México. Todos mostraram a características semelhantes: localizadas nos sub-trópicos, ao longo da costa e próximos de fontes de calor continental.

Também se detectou uma forte tendência global de aumento de eventos de altas temperaturas e umidade do ar. Ambas a frequência e a magnitude de eventos se encontra em trajetória ascendente. O estudo identificou que, desde 1979, a frequência dos eventos da altas temperaturas de TBU duplicou.

Eventos de calor úmido extremo se observaram de modo bastante localizado no espaço e no tempo. Por isso haviam sido significativamente subestimado em análises anteriores. Os cientistas projetaram que temperaturas de TBU acima de 35°C irão acontecer de forma recorrente em um contexto de aumento da temperatura média glocal acima de 2,5°C dos níveis pré-industriais.

É possível, a depender das emissões humanas de gases de efeito estufa, que o mundo chegue ao nível de aquecimento de 2,5ºC nas próximas décadas. Eventos de calor úmido extremo se tornarão, em tal cenário, um sério problema, especialmente para zonas costeiras dos sub-trópicos.

Mais informações: Raymond, C., Matthews, T. and Horton, R.M., 2020. The emergence of heat and humidity too severe for human tolerance. Science Advances6(19), p.eaaw1838.
Imagem: figura 1 do estudo – mapa da temperatura máxima diária de termômetros de bulbo úmido – TBU – para o período entre 1979 e 2017.

%d blogueiros gostam disto: