Press "Enter" to skip to content

Em breve, um verão sem gelo marinho

O Ártico tem experimentado rápidas alterações no clima. Uma delas é a perda acelerada do gelo marinho, e a realidade de um verão sem gelo no Oceano Ártico pode não estar muito distante. É provável que isso aconteça por volta do ano 2031, sugere estudo de cientistas dos Estados Unidos.

O monitoramento de satélite do Ártico mostra uma diminuição da extensão mínima anual do gelo marinho de 10% a 15% por década. A quantidade do gelo do mar havia caído 49% até 2012, em comparação com a média do período entre 1979 e 2000. Segundo o estudo, a taxa de perda do gelo marinho observada é mais veloz do que a projetada pelos modelos climáticos.

A perda do gelo marinho na região do Ártico pode ter consequências para, entre outros, o sistema climático, os habitats costeiros, ou a indústria marítima. Considera-se o Oceano Ártico isento ou quase sem gelo caso no caso em que ele contenha menos de um milhão de quilômetros quadrados de cobertura de gelo.

Pesquisas anteriores buscaram estimar quando ocorrerá o primeiro ano de verão ártico sem gelo marinho. Os resultados levaram a data divergentes, variando de aproximadamente 2020 para até por volta de 2040. A partir de dados da concentração de gelo marinho dos últimos 37 anos, os cientistas investigaram os métodos estatísticos utilizados e suas adequações e limitações na projeção de tendências futuras.

O estudo verificou que nenhum dos diferente métodos estatísticos avaliados é superior aos demais em todos os períodos de tempo considerados. Desse modo, recomenda-se a adoção de uma abordagem coletiva, realizando projeções por meio de um conjunto básico de modelos estatísticos.

Projeções de quando o Oceano Ártico perderá o gelo marinho no verão também foram realizadas pelos cientistas. Os diferentes modelos estatísticos convergiram para o ano de 2037, incluindo uma margem de erro de 6 anos para mais ou para menos.

Mais informações: Sensitivity Analysis of Arctic Sea Ice Extent Trends and Statistical Projections Using Satellite Data
Imagem: Pixabay

%d blogueiros gostam disto: