Press "Enter" to skip to content

Dúvidas quanto ao ciclo de carbono dos solos

A pesquisa a respeito da troca de carbono entre os solos e a atmosfera precisam ser revistos, alertou estudo de cientistas de universidades da Espanha e dos Estados Unidos. A abordagem atual do ciclo de carbono dos solos é muito superficial e não retrata adequadamente a realidade.

Atualmente, estima-se que os ecossistemas terrestres absorvam parte do dióxido de carbono – CO2 – emitido pelas atividades humanas. Contribuem, dessa forma, para minimizar a elevação dos níveis atmosféricos e assim conter a velocidade do aquecimento global.

Mas o papel dos ecossistemas terrestres no ciclo de carbono pode sofrer interferências do aquecimento e das mudanças climáticas. Eles continuarão a absorver carbono no futuro, ou se tornarão fontes emissoras? Para responder essa pergunta, é fundamental compreender adequadamente a produção e emissão de CO2 pelos solos.

Existem, segundo o estudo, dois momentos diferentes no ciclo de carbono dos solos. O primeiro é a produção de CO2 por meio da respiração de raízes e de micróbios durante a decomposição de matéria orgânica. O segundo momento é a emissão do gás para a atmosfera.

O problema é que tanto a pesquisa quanto os modelos computacionais normalmente consideram que a quantidade de carbono emitido pelos solos equivale à quantidade de carbono produzido. Só que uma fração considerável do carbono produzido nos solos pode não ser emitido devido à uma série de processos biológicos e não biológicos.

A fim de investigar essa questão, os cientistas mediram, ao longo de um ano, a quantidade de carbono produzido e emitido em uma parcela de solo de uma floresta conífera. Os resultados mostraram que somente um terço do CO2 produzido nos solos escapava para a atmosfera.

Os demais dois terços eram removidos do solo por processos subterrâneos, incluindo a dissolução do carbono na água, atividades biológicas e reações químicas.

Os cientistas recomendaram uma alteração na abordagem da ciência quanto ao ciclo de carbono dos solos. Este deveria ser analisado enquanto um sistema dinâmico onde o CO2 é produzido e removido pela interação de processos biológicos, transporte hidrológico e reações geoquímicas.

Se os resultados do estudo forem consistentes com solos de outras regiões e ecossistemas, as implicações para a pesquisa da troca global de carbono entre os ecossistemas e a atmosfera podem ser enormes.

Mais informações: Sánchez-Cañete, E.P., Barron-Gafford, G.A. and Chorover, J., 2018. A considerable fraction of soil-respired CO2 is not emitted directly to the atmosphereScientific reports8(1), p.13518.
Imagem: Unsplash/ Aya Okawa

Informações científicas e recursos audiovisuais sobre o aquecimento global, o efeito estufa e as mudanças climáticas
%d blogueiros gostam disto: