Press "Enter" to skip to content

Diagnóstico dos recifes de coral brasileiros

Recifes de coral ocorrem ao longo de 3.000 km da costa brasileira, distribuídos principalmente nas regiões norte, nordeste, leste e nas ilhas oceânicas. Formam um dos ecossistemas marinhos mais importantes para a biodiversidade marinha e para diversas atividades humanas, como a pesca e o turismo.

Os corais são vulneráveis ao aquecimento global, em especial pelo aumento das temperaturas das águas para além do nível tolerado pelas espécies. A fim de avaliar a situação dos recifes de coral da região costeira do Brasil, um grupo de pesquisadores das Universidades Federais da Bahia e de Pernambuco revisou a literatura existente sobre o tema (a foto acima, retirada do estudo, mostra corais em Porto de Galinhas, Pernambuco).

No litoral brasileiro, os corais se distinguem pela baixa diversidade e alto endemismo das espécies e pela formação de massivas estruturas de recifes. Não há expressivas interferências naturais sobre os recifes de coral. As principais causas de estresse e degradação são originadas de atividades humanas.

Mudanças no uso e ocupação do solo da região litorânea, especialmente o desmate da Mata Atlântica – para dar lugar, por exemplo, a culturas agrícolas como a cana-de-açúcar e o eucalipto – alterou o transporte de sedimentos em direção ao mar. Isso incrementou a deposição de sedimentos e a turbidez das águas, prejudicando os recifes de corais.

O aumento de centros urbanos (em alguns casos a taxas superiores a 1.000% nas últimas décadas) também contribuiu para a degradação dos corais. O maior impacto se deve ao lançamento de esgotos residenciais e industriais no mar litorâneo, interferindo na quantidade de nutrientes e consequentemente no equilíbrio dos ecossistemas.

Finalmente, a indústria do turismo, realizada sem qualquer forma de controle ou regulação com vistas à preservação do corais, representa significativo fator de degradação. Os problemas incluem, entre outros, lixo, a depredação física dos corais por barcos, mergulhadores e banhistas – o simples ato de caminhar na superfície de um recife de coral pode o prejudicar -, e a exploração para o comércio de souvenirs.

O estudo levanta também episódios de branqueamento, causados pelo aumento da temperatura da água e que podem causar a mortandade parcial ou total de recifes de corais. Na costa brasileira, episódios de branqueamento ocorrem geralmente associados ao El Niño, tendo sido registrados em 1982/83, 1997/98, 2002/03, 2005 e 2010.

Apesar da resiliência dos recifes de coral, a soma dos fatores de degradação podem comprometer sua capacidade de recuperação. O estudo ressalta a importância da continuidade de programas de monitoramento e avaliação dos corais e o fortalecimento de medidas conservacionistas.

Mais informações: Brazilian coral reefs in a period of global change: A synthesis

%d blogueiros gostam disto: