Press "Enter" to skip to content

Cumprir a meta não evitará impactos regionais severos

Mesmo que se cumpra a meta do acordo climático de Paris, limitando-se o aquecimento global a 1,5°C até 2100, algumas regiões do planeta podem sofrer impactos perigosos e irreversíveis, afirmou estudo de um time internacional de pesquisadores.

O estudo se baseou em um modelo climático, no qual foi lançado a projeção futura de emissões globais de gases de efeito estufa. O objetivo era investigar a viabilidade de se atingir as metas do acordo de Paris, o que vem sendo questionado por diversas pesquisas recentes.

O modelo utilizado simulou as alterações no clima em nível regional, permitindo aos pesquisadores explorar em detalhes os impactos do aquecimento em diferentes partes do globo.

As simulações indicaram que ainda é possível limitar o aquecimento global a bem abaixo de 2°C, como estabelece o acordo de Paris. Além disso, atingir esse resultado poderia ser realizado sem a necessidade de implementação de medidas para sequestro de carbono em larga escala no futuro.

No entanto, os países tem de agir imediatamente, por meio de políticas climáticas robustas, de modo a promover o desinvestimento em combustíveis fósseis, a redução das emissões e a implementação de novas tecnologias.

Nesse caso, de acordo com os pesquisadores, a chance de evitar que a temperatura média global suba além de 1,6°C até o fim do século seria de 50%.

Todavia, ao analisar as alterações climáticas regionais em cenários no qual a meta era alcançada, verificou-se que algumas regiões ficariam expostas a impactos significativos. Entre elas, por exemplo, estiveram as regiões de monções do Ártico e do Sudeste Asiático.

Nesse sentido, as políticas e medidas de adaptação às alterações do clima não devem ser guiadas apenas por estudos em escala global. O estudo ressaltou que elas precisam estar fundamentadas em metodologias que levem em consideração que o sistema climático irá responder ao aquecimento de modo não linear, no espaço e no tempo.

Fonte: Universidade de Sheffield
Imagem: Freeimages

%d blogueiros gostam disto: