Press "Enter" to skip to content

Como definir eventos extremos do clima

Eventos extremos do clima tem aumentando em freqüência ou em intensidade devido ao aquecimento global. Mas falta coerência na definição do que seja um evento extremo, afirma estudo de um time de cientistas dos Estados Unidos.

É preciso integrar as diferentes disciplinas que trabalham com o tema, de forma a gerar informações mais claras e consistentes.

De acordo com o estudo, cresceu recentemente a quantidade de desastres naturais, observando-se um aumento no número total de pessoas afetadas e nos danos monetários. Em parte, o crescimento se deu por causa da expansão de zonas urbanas e da ocupação de áreas de risco.

As cidades constituem um local crítico de exposição, risco e vulnerabilidade a eventos extremos. Por isso elas devem fortalecer a resiliência, afirmaram os cientistas. Eles definiram resiliência como a capacidade de um sistema social em absorver impactos e perturbações originados das mudanças climáticas, sem comprometer, entre outros, sua estrutura e funções.

A resiliência também considera a capacidade do sistema em se transformar, caso seja necessário para sua auto-preservação.

Os desastres naturais tem sido agravados como consequência do aquecimento global. Pesquisas apontam para um aumento da frequência, por exemplo, de fortes precipitações, ou de dias e noites quentes. As projeções de modelos climáticos incluem cenários nos quais eventos extremos aumentam em frequência, intensidade e duração ao longo deste século. 

A compreensão do que caracteriza um evento climático extremo afeta a capacidade de fortalecer a resiliência. Dessa forma, argumentou o estudo, a falta de coerência na definição desses eventos pelas diversas disciplinas – ciências sociais, engenharia, ou ecologia – prejudica o planejamento de ações voltadas à construção da resiliência pelas cidades.

No estudo, os cientistas realizaram uma grande revisão da literatura científica sobre o tema. Foi identificada uma grande variabilidade na natureza das definições utilizadas e das discussões sobre os eventos extremos. Menos da metade dos documentos examinados trazia uma definição explícita de evento extremo.

O método mais comum para definição se baseou em limites numéricos e estatísticos. Muitos documentos indicaram o percentil 99% ou o período de recorrência de 100 anos para caracterizar eventos climáticos extremos. Um total de 23%, em especial do campo das ciências sociais, também considerou os impactos na definição de eventos extremos.

Os termos utilizados variaram entre as diferentes disciplinas. Por exemplo, na ecologia o termo distúrbio descrevia eventos extremos, enquanto que nas ciências sociais, a preferência recaía sobre o termo desastres naturais. Além disso, apenas 50% dos documentos abordaram as zonas urbanas, apesar delas consistirem em local crítico para análise de exposição e vulnerabilidade.

O estudo recomenda que não se inclua na definição de eventos climáticos extremos os seus impactos ou efeitos, pois isso pode prejudicar a avaliação da resiliência de um sistema social.

A definição deve considerar limites numéricos ou estatísticos. Todavia, os cientistas sugerem que esses limites devem tanto se basear em probabilidades de ocorrência quanto nas potenciais consequências, impactos ou vulnerabilidades.

Quanto ao método probabilístico, ele deve levar em conta a não estacionaridade introduzida pelas mudanças climáticas, particularmente no caso de projetos e engenharia.

O estudo reconhece que as definições de eventos extremos irão mudar caso a caso. Elas devem se adequar a fatores como o tipo de evento, o objetivo do pesquisador, ou o contexto geográfico ou social. Mas essa particularidade na definição dos extremos reforça ainda mais a necessidade de articulação entre as disciplinas.

A pesquisa sobre o tema deve sempre conter uma definição clara. Incluindo o tipo de evento analisado, os sistemas sociais potencialmente afetados, o limite adotado para caracterizar o evento como extremo e a lógica utilizada para a escolha desse limite.

Mais informações: Defining Extreme Events: A Cross-Disciplinary Review
Imagem: Flickr

One Comment

Comments are closed.

%d blogueiros gostam disto: