Press "Enter" to skip to content

Estudo de caso de medidas de adaptação em cidades costeiras

Através de uma colaboração internacional entre o Brasil, o Reino Unido e os Estados Unidos, cientistas dos três países avaliaram as possibilidades de adaptação ao aumento do nível do mar de três cidades costeiras, considerando as restrições existentes nas estruturas administrativas e institucionais de cada uma. O estudo realizou um estudo de caso das cidades de Santos, no Brasil, Selsey, no Reino Unido, e Broward County, nos Estados Unidos. Foi identificado como cada comunidade percebia os potenciais benefícios da adaptação, tendo em vista projeções de futuros impactos.
 
O aquecimento global está provocando alterações no sistema climático. Uma das consequências se observa nos oceanos, através do aumento do nível do mar, que traz implicações em termos da variação das marés e de processos erosivos, ou da inundação de áreas costeiras durante tempestades. De acordo com o estudo, ao longo das costas atlânticas da América Central e do Sul, o aumento do nível do mar ficou entre 2 a 7 mm por ano no período entre 1950 e 2008. Em um cenário de aumento do nível do mar em 1 m até 2100, regiões costeiras do Brasil, Reino Unido e Estados Unidos seria afetadas severamente.
 
O problema é que a taxa de crescimento populacional é mais rápida nas cidades costeiras, ressaltam os pesquisadores. Quase 7% dela se encontra em elevação inferior a 5 metros do nível histórico do mar. Além disso, em somente 15 países, incluindo o Brasil, o Reino Unido e os Estados Unidos, vivem aproximadamente 60 milhões de pobres em áreas baixas das regiões costeiras. Desse total, cerca de 40 milhões estão expostos a grandes riscos de inundação – riscos que devem aumentar nos próximos 50 anos.
 
Implementar ações de adaptação é urgente. O grupo de cientistas dos três países avaliou como as comunidades e governos locais podem se preparar para as mudanças climáticas. Desenvolveram um programa de análise da tomada de decisão e da capacidade de adaptação local. A partir de uma abordagem participativa, identificaram fatores do contexto social que afetam a adaptação, o desenvolvimento de políticas e de respostas das partes interessadas.
 
A primeira etapa do programa consistiu na apresentação às comunidades dos possíveis riscos e impactos originados pelo aumento do nível do mar. Através de duas oficinas, os pesquisadores discutiram conjuntamente com os participantes os potenciais impactos econômicos, as possíveis estratégias de adaptação em cada município, e os fatores capazes de impedir ou facilitar a implementação das várias opções de adaptação. Entre os representantes das comunidades estavam políticos, acadêmicos, membros da sociedade civil, dos militares, da defesa civil, de Organizações Não Governamentais, e a população em geral.
 
Projeções de área inundada e danos causados por tempestades com tempo de recorrência de 100 anos. Foram considerados o ano de 2050 e 2100, e um cenário de pequeno e ou alto aumento do nível do mar. Fonte: Figura 2 do estudo
 
No caso das cidades de Santos e Broward County, foram identificadas medidas de adaptação com uma alta relação custo-benefício. Ações voltadas para a proteção da costa – como quebra-mares -, a elevação do terreno onde se localizam as edificações ou medidas de contenção de enchentes das marés foram reconhecidas como investimentos importantes para minimizar os prejuízos que o aumento do nível do mar pode trazer em 60 a 100 anos.
 
O estudo ressaltou o aspecto fundamental da conscientização e compreensão pública sobre os efeitos das mudanças climáticas para o desenvolvimento de políticas de adaptação. O foco foram estimativas dos custos econômicos causados por inundações, de acordo com diferentes cenários de médio e longo prazo. Em todas as cidades, a comunidade local percebeu as alterações no risco de inundações costeiras devido a tempestades, bem como o benefício de se engajar, desde o início, no processo de identificar riscos, impactos e custos. As medidas adaptativas usualmente priorizadas pelos participantes estavam relacionadas à investimentos em infraestrutura física e sustentável.
 
Outro fato relevante do programa foi a relevância do contexto local. Os pesquisadores tiveram que adaptar o programa à realidade de cada cidade costeira estudada. Isso incluiu desde aspectos técnicos relacionados às projeções de enchentes por modelos computacionais ou o uso de imagem de satélites, até as forma de avaliação de impactos econômicos sobre as edificações urbanas. 
 
Nas cidades de Selsey, no Reino Unido, e Broward County, nos Estados Unidos, as ações de adaptação priorizadas pelos participantes envolviam infraestrutura e a aquisição voluntária de propriedades, em Santos, além de infraestrutura, a outra solução indicada foi a recuperação de ecossistemas. Os pesquisadores esperam que o programa desencadeie processos de governança que, no final, terão um efeito duradouro nas comunidades locais.
 
A cidade de Santos constitui um exemplo prático. Após a primeira oficina do programa, o município criou a Comissão Municipal de Adaptação à Mudança Climática, voltada para trabalhar com o tema. Ainda que dentro das instituições municipais de Santos, o estudo tenha observado que a questão da adaptação não é bem conduzida ou mesmo considerada, os pesquisadores sugerem que a iniciativa tomada durante o programa dará frutos. 
 
Mais informações: An Integrated Framework to Analyze Local Decision Making and Adaptation to Sea Level Rise in Coastal Regions in Selsey (UK), Broward County (USA), and Santos (Brazil)
Imagem: Projeção de área inundada e danos causados por tempestades com tempo de recorrência de 2000 anos em Selsey, no Reino Unido – Figura 1 do estudo
%d blogueiros gostam disto: