Press "Enter" to skip to content

Biodiversidade ameaçada pelo aquecimento global

O aquecimento global deve se tornar o principal fator de pressão sobre a biodiversidade nas próximas décadas, sugere estudo de pesquisador do Reino Unido. Os impactos do aquecimento provavelmente irão igualar ou superar aqueles provocados pela mudança do uso da terra.

De acordo com o estudo, a maioria dos levantamentos indica uma queda da biodiversidade global por causa das pressões humanas. O impacto mais relevante se deve à alteração do uso da terra, quando os ecossistemas naturais são convertidas em áreas agrícolas ou em assentamentos.

Mas as mudanças climáticas provocadas pelo aquecimento global tem se tornado um fator cada vez mais importante. Algumas projeções apontaram que a distribuição de muitas espécies seria limitada por causa de alterações no clima. Subiria o risco de extinções. Outra hipótese seria de que a difusão de algumas espécies para novos habitats poderia tornar alguns ecossistemas mais diversos.

Há um interesse crescente em investigar como os efeitos das mudanças climáticas irão se combinar com os impactos das atividades humanas sobre a biodiversidade. Estimativas calcularam que 28% da superfície terrestre sofreu perdas severas de biodiversidade em função de alterações no uso e ocupação dos solos.

Todavia, a inclusão da interferência do uso da terra na pesquisa a respeito da influência das mudanças climáticas sobre a biodiversidade tem sido rara. A fim de complementar essa lacuna, o pesquisador utilizou um conjunto de modelos de distribuição de espécies de animais vertebrados com um modelo estatístico sobre os impactos das mudanças de uso da terra.

Dessa forma, elaborou uma projeção global a respeito dos efeitos separados e combinados das mudanças climáticas e do uso e alteração dos solos sobre a biodiversidade de espécies de animais vertebrados. Foram considerados quatro diferentes cenários, de baixas a altas emissões de gases de efeito estufa.

Os resultados indicaram interferências crescentes das mudanças climáticas sobre a estrutura das comunidades ecológicas. Os cenários mostraram que, a partir da década de 2070, os impactos do clima se tornarão iguais ou maiores do que os causados pelo uso e alteração dos solos.  Quanto maiores as emissões, maiores as perdas de biodiversidade.

Os impactos recaíram desproporcionalmente sobre os grupos dos répteis e anfíbios, enquanto que aves e mamíferos foram menos afetados. Também se verificou uma variação geográfica. As projeções registraram grandes perdas de espécies em regiões de florestas tropicais, pradaria tropicais e savanas. As zonas temperadas – onde se verifica as maiores taxas históricas de perda de biodiversidade – experimentariam alterações relativamente pequenas.

O pesquisador alertou que, nas próximas décadas, a interferência das mudanças climáticas sobre a biodiversidade se intensificarão. Combinada com os impactos da alteração no uso da terra, tanto histórica quanto futura, poderá causar uma perda de biodiversidade suficiente para gerar efeitos negativos substanciais no funcionamento dos ecossistemas em uma grande proporção da biosfera terrestre.

Mais informações: Future effects of climate and land-use change on terrestrial vertebrate community diversity under different scenarios
Imagem: figura 4 do estudo – Mapa de perda de biodiversidade devido às mudanças climáticas e ao uso e alteração dos solos até 2070. As projeções são mostradas para cada um dos cenários socioeconômicos e de emissões de gases de efeito estufa: (a) baixas, (b) média-baixas, (c) média-altas e (d) altas.

Comments are closed.

%d blogueiros gostam disto: