Press "Enter" to skip to content

As projeções de aumento do nível do mar

No que diz respeito ao aumento do nível médio do mar, as projeções do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas – IPCC, na sigla em inglês – tem sido conservadoras, identificou artigo de um grupo de cientistas de universidades dos Estados Unidos e de Singapura.

O início das projeções do aumento do nível médio do mar se deu na passagem entre as décadas de 1970 e 1980. Segundo o artigo, além do impacto do aquecimento global, a comunidade científica identificou uma possível instabilidade da calota polar do oeste da Antártica.

O aumento da temperatura das águas e o derretimento de parte da calota polar poderiam levar a uma elevação do nível do mar.

Desde então, várias metodologias foram criadas para realizar projeções do aumento do nível médio do mar. Elas incluem de modelos computacionais baseados em processos a avaliações probabilísticas.

As estimativas médias de aumento do nível até 2100 tem sido relativamente consistentes. No entanto, a faixa correspondente ao limite máximo de quanto o nível poderá subir variou significativamente. Ainda há muita incerteza, não havendo uma melhor metodologia para sua estimativa.

A fim de investigar o desenvolvimento e o estágio atual das projeções do aumento do nível do mar, os cientistas revisaram a literatura científica sobre o tema publicada entre 1983 e 2018. Eles buscaram contextualizar os diversos pressupostos, objetivos ou metodologias por trás das diferenças nas projeções.

Gráfico projeções do IPCC do aumento do nível do mar
Projeções das faixas mínimas (a) e máximas (b) de aumento do nível médio do mar nos últimos 5 relatórios publicados pelo IPCC. Fonte: figura 3 do artigo.

O artigo identificou que, na década de 1980, as projeções iniciais consideravam um aumento mínimo do nível médio do mar até 2100 entre 0,43m a 1,2m, enquanto a faixa máxima era estimada entre 1,32m a 1,81m.

As projeções se reduziram ao longo do tempo. Em 2007, a pesquisa científica projetava um aumento mínimo entre 0,09m e 0,18m, e um aumento máximo do nível do mar entre 0,57m e 0,86m.

No entanto, desde 2007 as estimativas de aumento do nível do mar voltaram a subir. Atualmente, abrange um crescimento mínimo entre 0,16m e 0,55m, e um crescimento máximo de 0,46m a 2,54m.

Deve-se ressaltar que as faixas máximas e mínimas do aumento do nível do mar estão associadas aos cenários futuros de emissão de gases de efeito estufa. Valores mínimos dizer respeito à elevação do nível prevista até 2100 em um cenário de baixas emissões. Valores máximos se referem a cenários de altas emissões.

Projeção da faixa máxima de aumento do nível médio do mar no cenário de altas emissões. Comparação entre o estimado pelo IPCC (barras azuis) e pesquisas individuais (pontos roxos). Fonte: figura 4 do artigo.

O artigo caracterizou a redução dos valores das projeções como um processo de aprendizagem negativa. Crenças da comunidade científica foram desfeitas com o levantamento de novas informações sobre o comportamento das calotas polares, em especial após a década de 2000.

Nesse sentido, a redução das projeções ocorrida antes de 2007 teria sido um tanto prematura, baseada em pressupostos que se revelaram sem confirmação empírica.

Quando discute o tema do aumento do nível do mar, os cientistas detectaram que o IPCC apresenta projeções mais conservadoras.

No último relatório publicado pela instituição, em 2013, apresentou-se, para o cenário de altas emissões, um aumento provável do nível do mar entre 0,52m e 0,98m.

Projeções de inúmeras pesquisas individuais, todavia, apontavam para um crescimento muito maior do que 1m em um cenário de altas emissões. O conservadorismo do IPCC se faz notar especialmente para o limite máximo de aumento do nível do mar.

A constatação do artigo reforça uma pesquisa anterior, na qual se identificou que as estimativas de aumento do nível médio do mar por membros da comunidade científica eram maiores do que o considerado pelo relatório do IPCC.

O artigo concluiu que o conhecimento da história da ciência e do conhecimento produzido contribuiria para a prática da ciência atual. Além disso, é preciso coordenar e integrar esforços para melhorar a compreensão de fatores e processos relacionados ao aumento do nível do mar.

Mais informações: Garner, Andra J., et al. “Evolution of 21st Century Sea‐level Rise Projections.” Earth’s Future (2018).
Imagem: Unsplash/Thiago Japyassu

Informações científicas e recursos audiovisuais sobre o aquecimento global, o efeito estufa e as mudanças climáticas
%d blogueiros gostam disto: