Press "Enter" to skip to content

As bactérias que formam nuvens no Ártico

Bactérias do Oceano Ártico podem ser transportadas pelo vento para a atmosfera. Lá, elas contribuem para a formação de nuvens, na forma de partículas de nucleação de gelo – partículas ao redor das quais o vapor d’água se condensa. Com isso, podem influenciar os fenômenos meteorológicos, identificou estudo de um time de cientistas de universidades dos Estados Unidos.

Certos tipos de nuvens do Ártico constituem um elemento fundamental nas condições meteorológicas, exercendo influência sobre a troca de energia na superfície da calota polar da Groenlândia. Segundo o estudo, um dos processos menos conhecidos das nuvens diz respeito à formação de gelo a partir de aerossóis.

Um dos tipos de aerossol formador de gelo tem origem biológica, constituindo por micróbios e suas substâncias. A origem dos micróbios, se terrestre ou marinha, interfere na formação das nuvens, permitindo a criação de núcleos de gelo a partir de temperaturas diferentes. Todavia, medições de aerossol de origem biológica e marinha ainda eram raros.

Através de uma expedição durante o verão do Ártico, os cientistas coletaram amostras do ar e da água do mar. Eles também utilizaram um modelo computacional para explorar como o material poderia ser transportado do oceano para a atmosfera. Os resultados confirmaram a presença de bactérias marinhas no ar e seu potencial para a formação de nuvens.

De acordo como o estudo, o processo ocorreria da seguinte forma. Correntes oceânicas ricas em nutrientes levariam a uma floração de fitoplâncton nas águas superficiais. Ao se mover em direção norte, as correntes perdem velocidade. O boom de fitoplâncton começa a decair e se depositar no sedimento do fundo do mar.

Essa matéria orgânica alimenta as comunidades de bactérias presentes no sedimento marinho, levando ao crescimento de seu número. Alterações nas correntes oceânicas locais e a mistura entre as camadas de água pela turbulência do vento transportariam as bactérias do fundo para a superfície do mar. Dali, elas escapariam para o atmosfera.

Dessa forma, o estudo identificou que as bactérias marinhas também cumprem um papel no clima do Ártico. É preciso mais pesquisa para compreender adequadamente esse papel, e quais serão as implicações do aquecimento global.

Mais informações: Creamean, J. M., et al. “Ice nucleating particles carried from below a phytoplankton bloom to the Arctic atmosphere.” Geophysical Research Letters 46.14 (2019): 8572-8581.
Imagem: figura 4 do estudo – ilustração de como bactérias marinhas são transportadas para a atmosfera

Informações científicas e recursos audiovisuais sobre o aquecimento global, o efeito estufa e as mudanças climáticas
%d blogueiros gostam disto: