Press "Enter" to skip to content

A tecnologia não resolverá o aquecimento global

Alguns dos cenários de aquecimento global futuro do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas – IPCC – são pouco realistas, afirma relatório de cientistas do Conselho Consultivo de Ciências das Academias Europeias. Avaliando as tecnologias de sequestro de carbono disponíveis, os cientistas concluíram que elas apresentam potencial limitado para remover o dióxido de carbono  – CO2 – da atmosfera na escala e velocidade previstos em cenários do IPCC.

Segundo o relatório, as medidas de mitigação atualmente empregadas pelos países são insuficientes para atingir a meta do acordo climático de Paris. Dessa forma, cenários futuros em que a meta não é ultrapassada projetam que tecnologias de sequestro de carbono serão implementadas em larga escala. Todavia, a suposição de que tais tecnologias serão desenvolvidas e implantadas no futuro ainda não havia sido devidamente analisada.

Os cientistas investigaram o potencial de sequestro de carbono de diversos métodos e tecnologias, como o reflorestamento, a agricultura, a bioenergia com captura e armazenamento de carbono, a intensificação de processos de intemperismo, a fertilização dos oceanos e a captura direta do carbono atmosférico.

Ao rever a evidência e as informações disponíveis, os cientistas apontaram que as tecnologias possuem um potencial de sequestro de carbono limitado, aquém do que foi considerado em alguns cenários do IPCC. As tecnologias de sequestro de carbono são úteis e terão um papel a desempenhar no futuro. Mas não em níveis necessários para compensar medidas inadequadas de mitigação.

A possibilidade de implantação das tecnologias dependeria do tipo, da localização e de circunstâncias específicas. Há grandes incertezas quanto à quantidade de carbono sequestrada, no caso de aplicações em larga escala, além de implicar em altos custos econômicos e importantes impactos em ecossistemas terrestres ou marinhos. Tais limitações não foram consideradas nos cenários do IPCC.

Cenários futuros que prevêem o atendimento da meta do acordo de Paris por meio do emprego em larga escala de tecnologias de sequestro de carbono são otimistas. Nesse sentido, o relatório recomenda que tais cenários não sejam utilizados para subsidiar o planejamento de ações de adaptação do setor de energia da União Européia.

Uma vez que as tecnologias de sequestro de carbono apresentaram menor potencial do que o previsto, torna-se ainda mais relevante a necessidade de diminuir em curto prazo as emissões de gases de efeito estufa. A União Européia precisa concentrar esforços nesse sentido, indicam os cientistas. Outra medida significativa é o combate ao desmatamento e à degradação dos solos, pois a tecnologia mais realista se mostrou o sequestro de carbono pelos solos e pela biomassa florestal.

Limitar o aumento da concentração atmosférica de gases de efeito estufa é uma corrida contra o tempo. Todas as ferramentas disponíveis precisarão ser utilizadas, lembra o relatório, inclusive as tecnologias para sequestro de carbono, para que o aquecimento global não ultrapasse a meta do acordo climático de Paris.

Mais informações: Negative emission technologies: What role in meeting Paris Agreement targets?
Imagem: figura 1 do relatório – projeções de emissões futuras de gases de efeito estufa. Em azul, quantidade de emissões para se atingir a meta do acordo de Paris. Em cinza escuro, emissões registradas até 2015. Em cinza claro, estimativa das emissões segundo o compromisso assumido pelos países.

Comments are closed.

%d blogueiros gostam disto: