Press "Enter" to skip to content

A floresta que faz chover

Analisando dados sobre vapor d’água obtidos por meio de satélites, estudo publicado no jornal científico PNAS reuniu evidências que mostram a influência do processo de transpiração da floresta na transição da estação seca para a chuvosa na região sul da Amazônia.

A região sul é uma área de transição entre a floresta tropical e o cerrado. Ocupa entre 30 e 40% da área total da Amazônia, e no Brasil se estende  pelos estados do Amazonas, Pará, Rondônia e Mato Grosso. É uma região onde se concentra o desmatamento na Amazônia Legal e que passa dessa forma por aguda mudança no uso e ocupação do solo.

De acordo com o estudo, é também uma área onde as condições hidrológicas se encontram no limite do que é necessário para sustentar a presença da floresta tropical. Existem projeções de modelos climáticos que mostram a possibilidade das condições hidrológicas se agravarem, tornando-se mais secas, o que provocaria a mudança da cobertura vegetal para o tipo cerrado.

Nas últimas décadas, tem sido registrado uma alteração no regime de chuvas no sul da Amazônia. Observa-se no presente um atraso de aproximadamente um mês no começo da estação chuvosa em comparação do que ocorria na década de 1970. Além disso, a região passou por eventos de secas extremas em um curto espaço de tempo: em 2005, 2010 e 2014/15.

Considerando esse contexto, o estudo investigou como ocorre a transição entre o período seco e o período das chuvas na região. Em geral, a estação chuvosa é causada pela reversão na direção predominante dos ventos, que passam a correr do Atlântico em direção à bacia amazônica, carregando consigo umidade e calor. Essa mudança é usualmente atribuída à diferenças nas temperaturas do continente e do oceano.

Todavia, esse não é o caso da região sul da Amazônia, em que as chuvas se iniciam no mês de Outubro, antes que a diferença das temperaturas entre o continente e o oceano Atlântico seja suficiente para reverter a direção dos ventos. A hipótese era que a transpiração da floresta – quando a água evapora das folhas das árvores – induziria à mudança nas condições climáticas regionais, provocando as chuvas.

Utilizando instrumentos de satélite para rastrear a composição química do vapor d’água, os cientistas puderam identificar, durante a transição da estação seca para a chuvosa, qual a principal fonte de umidade e, consequentemente, fonte do início das chuvas na região. Os resultados confirmaram a influência da transpiração da floresta sobre o início do período chuvoso na região.

Os resultados também ressaltam que os impactos do desmatamento e da mudança do uso e ocupação do solo sobre o clima regional pode ser maior do que o previsto. A melhoria no conhecimento da relação entre a floresta e o clima auxiliará no aprimoramento dos modelos climáticos, permitindo estudar as potenciais alterações a serem causada pelo clima em mudança.

Mais informações: NASA e A rainforest-initiated wet season onset over the southern Amazon
Imagem: Gilberto Soares/MMA

3 Comments

Comments are closed, but <a href="https://cienciaeclima.com.br/a-floresta-que-faz-chover/trackback/" title="Trackback URL for this post">trackbacks</a> and pingbacks are open.

%d blogueiros gostam disto: