Press "Enter" to skip to content

Espécies sob risco de extinção

Espécies que interagem umas com as outras na natureza tendem a ter evoluído em conjunto. O processo é denominado de co-evolução. Por exemplo, o tempo favorece aquele predador melhor preparado para capturar a presa. Por sua vez, também favorece a presa mais capacitada em fugir do predador.

Espécies que se beneficiam mutuamente também co-evoluem, como no caso de plantas e insetos polinizadores. 

Mas a co-evolução de espécies pode estar ligada também a uma rede complexa de interações com outras espécies de uma comunidade biológica, identificou estudo de cientistas brasileiros, da Espanha, Estados Unidos e Suíça.

O estudo investigou 75 redes de interação de espécies em ambientes marinhos e terrestres. As comunidades variaram em termos do número e diversidade de interações e espécies. Redes altamente especializadas incluíam poucas espécies e interações, como entre o peixe-palhaço e a anêmona do mar.

Redes mais diversas se caracterizavam por várias espécies e interações, como entre abelhas e os vários tipos de plantas que elas polinizam, ou entre plantas e as diferentes espécies de aves e mamíferos que dispersam suas sementes.

A partir da análise das redes de interação de espécies, os cientistas criaram um modelo para simular como a co-evolução ocorreria nas comunidades biológicas. Os resultados apontaram que, em redes mais diversas, a co-evolução de especialistas era fortemente influenciada por interações indiretas com outras espécies.

Nesse tipo de rede, alterações ambientais trazem desdobramentos que se propagam em cascata, afetando um grande número de espécies. Dessa forma, a capacidade de se adaptação dessas comunidades às mudanças é mais lenta. Se a mudança do ambiente ocorre rapidamente, as espécies se tornam mais vulneráveis ​​à extinção.

Os resultados do estudo são importantes em face do aquecimento global. A velocidade com que as alterações no clima estão acontecendo implica em risco de extinção de muitas espécies em grandes redes, alertam os cientistas.

Fonte: Universidade de Zurique
Imagem: Freeimages

%d blogueiros gostam disto: