Press "Enter" to skip to content

10 consequências do aquecimento global

O aquecimento global representa a acumulação de energia no sistema climático da Terra. Ele é causado pelo aumento das concentrações de gases de efeito estufa na atmosfera, intensificando o efeito estufa. Isso faz com que a quantidade de energia emitida de volta ao espaço pelo planeta seja menor do que a quantidade de energia absorvida na forma de radiação solar.

Ao acumular energia, o sistema climático altera suas características. Isso significa que o aquecimento global traz consigo inúmeras consequências. A partir do último relatório do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, – IPCC, em inglês -, levantamos 10 importantes consequências do aquecimento global.

Deve-se ressaltar que os relatório do IPCC são de 2013 e 2014. De lá para cá, a pesquisa cientifica avançou significativamente em diversas frentes.

Consequência 1: elevação da temperatura da superfície

Fonte: IPCC 2013.

Ao acumular uma quantidade maior de energia, uma das consequências é o aumento de calor no sistema climático. Isso se expressa através de maiores temperaturas. Um dos indicadores criados pela ciência para acompanhar variações na temperatura do planeta é também o mais conhecido. A temperatura média da superfície terrestre combina os dados disponíveis sobre a temperatura do ar, obtidas por estações climatológicas, e da camada superficial dos oceanos.

No gráfico acima, apresenta-se o indicador calculado para o período compreendido entre 1850 e 2012. O indicador se baseia em informações de três centros de pesquisa diferentes. As variações na temperatura – negativas, mais frias, ou positivas, mais quentes – tomam como referência os valores médios registrados nas décadas entre 1961 e 1990. O painel superior traz de três valores anuais da temperatura média da superfície. No painel inferior, os dados são mostrados como a média da temperatura ao longo da década.

A tendência de aumento continuará ao longo deste século, à medida que subirem as concentrações atmosféricas de gases de efeito estufa.

Consequência 2: mudança da frequência de temperaturas extremas

Uma quantidade maior de energia no sistema climático  afeta os processos atmosféricos. Uma das consequências é a alteração da frequência e característica de eventos extremos de temperatura. Desde meados do século 20, tem sido registrado em grandes extensões geográficas diminuição nos índices de extremos frios e aumento nos índices de extremos de calor. Além disso, a ocorrência de ondas de calor também apresenta uma tendência de aumento.

Os gráficos acima trazem a variação na frequência anual de extremos de temperatura para o período entre 1951 e 2010, calculados a partir de séries de dados de três centros de pesquisa diferentes.  A coluna da esquerda mostra a ocorrência de noites (superior) e dias (inferior) quentes, enquanto que a coluna da direita mostra a ocorrência de noites e dias frios. A referência foram os valores médios registrados nas décadas entre 1961 e 1990. 

Consequência 3: aumento do nível do mar

Fonte: IPCC 2013.

O aumento do nível do mar é uma consequência do aquecimento global. As mudanças no volume de água dos oceanos se devem principalmente a dois fatores. O primeiro deles é a expansão térmica da água, à medida que os oceanos absorvem, em forma de calor, grande parte da energia adicional acumulada pelo sistema climático. O segundo fator é a transferência de água das geleiras e calotas polares para os oceanos.

O gráfico acima apresenta uma compilação do nível médio do mar calculado a partir de dados históricos (em roxo), observações instrumentais (em azul, vermelho e verde), e projeções de modelos climáticos até 2100, considerando um cenário de baixas (azul) e altas (vermelho) emissões. Em função da quantidade de pessoas, de centros urbanos e de infraestrutura localizados em regiões litorâneas, o aumento do nível do mar é certamente uma das consequências mais graves do aquecimento global.

Consequência 4: retração das calotas polares

Em um sistema climático que armazena maior quantidade de calor, a tendência é de diminuir a ocorrência de água em estado sólido – na forma de geleiras e calotas polares. Em períodos do passado geológico da Terra, quando as temperaturas médias eram mais altas do que no presente, os pólos permaneceram livres de gelo. O oposto ocorreu em períodos de glaciação e menores temperaturas.

A mesma consequência se verifica com o presente aquecimento global. As calotas polares da Groenlândia e da Antártica – em sua região oeste – estão perdendo massa e diminuindo de volume. O gráfico da esquerda mostra a perda cumulativa de massa de gelo da Antártica no período entre 1992 e 2012. No gráfico da esquerda, a mesma informação é apresentada para a Groenlândia.

O derretimento das calotas polares contribui com o aumento do nível do mar. Estudos também investigam influências sobre padrões circulatórios da atmosfera e dos oceanos.

Consequência 5: mudança na quantidade de vapor d’água da atmosfera

Fonte: IPCC 2013.

Uma atmosfera mais quente tem a capacidade de conter maiores volumes de vapor d’água. Dessa forma, o aquecimento global tem como consequência o aumento das concentrações atmosféricas médias de vapor d’água. Mas porque este é um gás de efeito estufa, essa consequência tem como efeito reforçar a tendência de aquecimento. Monitorar a quantidade de vapor d’água é uma tarefa complexa, que a ciência ainda encontra dificuldades para realizar. O gráfico acima reúne a reconstrução de médias globais anuais da umidade específica do ar na superfície terrestre de quatro fontes científicas diferentes.  A referência foram os valores médios registrados entre os anos de 1979 a 2003.

Consequência 6: alteração da salinidade dos oceanos

Fonte: IPCC 2013.

O aquecimento global tem efeitos sobre os processos do ciclo hidrológico, como evaporação e precipitação. Uma das consequência se manifesta na salinidade das águas dos oceanos. Os dados coletados em diversos estudos indica que a salinidade das águas superficiais está se alterando em escalas global e regional. A tendência se caracteriza pela intensificação do contraste entre as regiões nas quais se concentra a evaporação das águas oceânicas, mais salinas, e aquelas dominadas por precipitações, mais frescas. O gráfico acima apresenta as alterações registradas na salinidade da superfície do mar entre 1950 e 2008, removendo-se os sinais sazonais introduzidos pelo El Niño.

Consequência 7: redução na produção de alimentos

Fonte: IPCC 2014.

As modificações no sistema climático se expressarão em padrões climatológicos regionais. Atividades diretamente ligadas à essas variáveis sofrerão as consequências do aquecimento global. É o caso da agricultura. Projeta-se que, em cenários de aumento da temperatura média em 2°C ou mais acima dos níveis do fim do século 20, a produtividade poderá ser afetada.

Alguns locais observarão uma melhoria de curto prazo de rendimento. Mas após 2050, o risco de impactos mais severos se acentua. Também deverá aumentar a variabilidade interanual dos rendimentos das culturas em muitas regiões. O gráfico resume os impactos nos rendimentos das culturas ao longo deste século, considerando regiões tropicais e temperadas e diferentes cenários de emissões. As barras da direita mostram a porcentagem da produção mundial de alimentos com perda de rendimentos.

Consequência 8: aumento de inundações e secas

Fonte: IPCC 2014.

A frequência e a magnitude de inundações e secas irá se alterar como consequência do aquecimento global. O risco de inundações tende a subir em áreas úmidas devido a intensificação de chuvas extremas. Áreas atualmente suscetíveis podem experimentar maior frequências de secas. O gráfico acima traz a quantidade de pessoas (em milhões) expostas a inundações com recorrência de 100 anos. A linha preta traz o registro histórico do século 20, enquanto que as linhas azul, amarela e vermelha retratam as projeções de mudança em cenários de baixas, médias e altas emissões respectivamente. Ressalte-se que as projeções não consideraram o crescimento populacional. A exposição sobe entre 4 a 14 vezes até 2100 em comparação com a média do século passado. Incluindo um crescimento populacional moderado, o aumento fica entre 7 a 25 vezes maior.

Consequência 9: modificação do regime de fogo

Fonte: IPCC 2014.

Provocadas pelo aquecimento global, as alterações no clima levarão, como consequência, à modificações na ocorrência de incêndios. A frequência, a probabilidade e o risco serão afetados. A maioria dos modelos climáticos sugere que, aliado às temperaturas e à seca, o fogo fará com que as florestas sequestrem menos carbono da atmosfera ou mesmo se tornem fontes de emissão antes de 2100. A susceptibilidade da floresta ao fogo é projetada para mudar pouco no cenário de baixas emissões e substancialmente no cenário de altas emissões.

Os gráficos acima trazem uma avaliação do Índice de Perigo de Incêndio Florestal. À esquerda, em um cenário de baixas emissões, a diferença do índice projetado para o período entre 2070 e 2099, tendo como referência o índice de 1970 a 1999. À direita, a mesma projeção, dessa vez considerando o cenário de altas emissões.

Consequência 10: danificação dos recifes de coral

Fonte: IPCC 2014.

Os recifes de coral constituem um dos ecossistemas com maior diversidade no planeta. Uma das consequências do aquecimento global é a degradação dos corais, em especial devido ao fenômeno do branqueamento. Anomalias na temperatura do mar impactam os corais, que perdem a cor – ficam brancos -, e podem, em algumas situações, levar a mortalidade em massa. Fenômenos de branqueamento tem ocorrido nos últimos 30 anos. O gráfico acima traz a porcentagem dos locais em todo o mundo onde estão recifes de coral que registraram ao menos um evento de branqueamento por década. A partir da década entre 2000 e 2009, as barras indicam as projeções de ocorrência desses eventos em um cenários de médias a baixas emissões.

Comments are closed.

%d blogueiros gostam disto: